fbpx

Malformação adenomatoide cística pulmonar: achados clínicos e radiológicos | Newslab 145

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Disponibilizado por Dr Pixel*


Autor

Dr. Gabriel Beraldo

Médico residente do Departamento de Radiologia da Faculdade de Ciências Médicas-FCM/ UNICAMP, SP, Brasil.

Orientadora

Profa Dra. Beatriz Regina Alvares

Profa. Dra. do Departamento de Radiologia da FCM/UNICAMP. Desenvolve atividades docente – assistenciais no Hospital Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti – Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher/ CAISM-UNICAMP

Fotógrafo

Neder Piagentini do Prado: ASTEC/CAISM/UNICAMP


História Clínica

Recém-nascida (RN) a termo, idade gestacional de 39 semanas, peso ao nascer de 3230 gramas, apresentou logo ao nascer sinais de dificuldade respiratória. O exame radiológico simples de tórax ( Figuras 1a e 1b) sugeriu malformação adenomatóide cística.

Com 18 horas de vida, a RN foi submetida a lobectomia superior esquerda e lingulectomia. O resultado anatomo patológico foi compatível com malformação adenomatóide cística, tipo grandes cistos.

O RN evoluiu sem intercorrências, recebendo alta para acompanhamento ambulatorial.


 

Imagem1

 

Imagem2


Legenda

Radiografias de tórax  AP (Figura 1A) e Perfil (Figura 1B) evidenciando imagens radioluscentes, aspecto de bolhas, de dimensoes variáveis no hemitórax esquerdo (setas amarelas), com desvio mediastinal contralateral e posterior (setas verdes). A extremidade da sonda gástrica é visível na topografia do estômago  (seta azul) o que auxilia no diagnostico diferencial com hérnia diafragmática congênita, pois neste caso o estômago e a extremidade da sonda deveriam estar desviados para o tórax.


Diagnóstico

Malformação adenomatóide cística pulmonar.


Discussão

A malformação adenomatóide cística (MAC) é uma causa infrequente de insuficiência respiratória nos recém-nascidos. É uma alteração congênita caracterizada por múltiplos cistos de diversos tamanhos ocupando o parênquima pulmonar.

A patogênese da MAC ocorre entre a 7ª e a 10ª semana de vida embrionária, quando há um estímulo anormal para o supercrescimento dos bronquíolos em detrimento do subdesenvolvimento dos alvéolos, dando origem às alterações anatômicas observadas.

Atualmente divide-se a MAC em três tipos histológicos. O tipo I é a forma mais comum (75% dos casos) e é composto por cistos de tamanhos variados, sendo um dominante (> 2 cm de diâmetro). O tipo II, menos frequente que o anterior (10-15% dos casos), apresenta cistos menores (< 1 cm de diâmetro) e uniformes, sendo comumente relacionado a outras malformações como agenesia renal, sequestro pulmonar e anomalias cardíacas. O tipo III (cerca de 10% dos casos) é o de pior prognóstico, frequentemente associado à morte nas primeiras horas de vida, com envolvimento comum de um lobo pulmonar por microcistos com menos de 5 mm de diâmetro.

Os achados ultrassonográficos fetais compreendem desde o diagnóstico incidental localizado até a hidropisia e o polidrâmnio. A manifestação clínica da MAC é variada e depende principalmente da extensão do acometimento. Quando o diagnóstico é realizado após o parto, o quadro típico é de insuficiência respiratória, sendo comum as infecções pulmonares de repetição com o avanço da idade.

Em relação aos achados de imagem no período pós-natal, os tipos I e II normalmente se mostram como múltiplos cistos normalmente unilaterais e unilobares. Nas apresentações extensas podemos encontrar desvio do mediastino contralateral e depressão/inversão da cúpula diafragmática ipsilateral. Radiografias realizadas nas primeiras horas de vida podem evidenciar cistos parcialmente preenchidos por conteúdo líquido, com nível ou aparência sólida. Quando o ar ocupa o espaço do líquido, os múltiplos cistos podem se expandir e mimetizar alças intestinais em localização intratorácica, típicas da hérnia diafragmática congênita..No tipo III a lesão tem aspecto sólido à radiografia.


Diagnósticos diferenciais:

Os diagnósticos diferenciais da MAC no período pós-natal são a hérnia diafragmática congênita e o enfisema lobar congênito, que se apresentam com um quadro clínico semelhante, o que torna essencial a sua diferenciação por meio da imagem radiológica:

A hérnia diafragmática congênita acomete cerca de 1 a cada 2000 nascidos vivos, com ocorrência preferencial à esquerda (84% dos casos). É dividida em dois tipos: a hérnia de Bochdalek, mais comum e de localização posterolateral, e a hérnia de Morgagni, mais rara e anterior. A hérnia diafragmática pode ser diagnosticada no período neonatal pela ultrassonografia morfológica. Após o nascimento há insuficiência respiratória aguda devido à hipoplasia pulmonar provocada pelo efeito de massa das alças herniadas. Em casos de hérnia maciça, o abdome pode estar “vazio”, com ausculta de ruídos hidroaéreos no hemitórax. Ao exame radiológico é possível encontrar alças intestinais no hemitórax ipsilateral à hérnia, as quais podem facilmente ser confundidas com cistos. Em casos de hérnia maciça também podemos observar desvio contralateral do mediastino. Na hérnia diafragmática congênita esquerda, o estômago também pode ter localização torácica ou anormal na cavidade abdominal (mais próximo à linha média ou inferior à localização habitual). Outro achado importante para a distinção entre a MAC e a hérnia diafragmática é que apenas na MAC é possível observar a cúpula diafragmática ipsilateral à lesão.

O enfisema lobar congênito também consiste em uma rara malformação, com acometimento de cerca de 1 a cada 20.000-30.000 nascidos vivos. É caracterizado pela distensão progressiva de um ou dois lobos pulmonares. Acredita-se que isso ocorra devido ao colapso dos brônquios, agindo como um mecanismo de válvula que explica a hiperinsuflação. O Acometimento é preferencialmente do lobo superior esquerdo (42% dos casos). O diagnóstico pode ser feito nos primeiros meses de vida (mais freqüente), com insuficiência respiratória como apresentação típica. Além disso, os pacientes podem apresentar sintomatologia somente com o passar dos anos ou até mesmo serem assintomáticos, sendo o diagnóstico um achado incidental em exame de imagem. Os achados radiográficos do enfisema lobar congênito dependem do momento da realização do exame. No período neonatal, o lobo pulmonar acometido pode se mostrar radiopaco devido ao preenchimento por fluido. Com o passar do tempo, o líquido é reabsorvido e o lobo se torna radiotransparente. É possível observar a compressão das estruturas adjacentes, inclusive causando atelectasia. Vale ressaltar que a hemicúpula diafragmática ipsilateral à lesão é visível e não há imagem de cistos ou alças intestinais na região intratorácica, sendo a distribuição gasosa na topografia abdominal normal.

Malformação adenomatóide cística,  radiografia simples de tórax e abdome, recém nascido.


Referências

  1. Swischuk, LE. Imaging Of the Newborn, Infant, and Young Child. Fifth edition. Lippincott Williams &Wilkins.2004.
  2. Rosado-de-Christenson, ML, Stocker, JT.Congenital cystic adenomatoid malformation. 11 (1991): 865-886.
  3. Biyyam D, Chapman T, Ferguson M, Deutsch G, Dighe M. Congenital lung abnormalities: embryologic features, prenatal diagnosis, and postnatal radiologic-pathologic correlation. Radiographics. 30(2010):1721–1738
  4. Berrocal T, Madrid C, Novo S, Gutiérrez J, Arjonilla A, Gómez-León N. Congenital anomalies of the tracheobronchial tree, lung, and mediastinum: Embryology, radiology, and pathology. 24 (2004); 24: e17.

Dr. Pixel:

LogoDisponível online desde dezembro de 2015, e atualmente com milhares de acessos por dia, o site Dr. Pixel (www.fcm.unicamp.br/drpixel) tem como objetivo o ensino e a atualização em diagnóstico por imagem. Suas aulas, discussões de casos e banco de imagens são destinados principalmente a estudantes da graduação em medicina, residentes e médicos especialistas ou não em diagnóstico por imagem.

O conteúdo do site é produzido no Hospital da Mulher “Prof. Dr. José Aristodemo Pinotti” – CAISM –Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, São Paulo, Brasil, com o apoio dos Departamentos de Tocoginecologia e Radiologia e pelo setor de Medicina Nuclear da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) -UNICAMP. A execução técnica é de responsabilidade do Núcleo de Tecnologia da Informação da FCM. Todo o conteúdo do Dr Pixel foi preparado a fim de assegurar o anonimato dos pacientes.


 

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo identifica novas funções de molécula envolvida no melanoma

Novos testes em animais e em células de melanoma em cultura mostraram que uma molécula conhecida como RMEL3, presente na maioria dos casos desse tipo

Leia mais

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais
Seções
Fechar Menu