fbpx

Índice de Saúde da Próstata | Newslab 144

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Uma nova ferramenta para o diagnóstico e seguimento do câncer de próstata

 

 

O câncer de próstata é a segunda neoplasia que mais mata homens no Brasil. De acordo com o INCA (Instituto Nacional de Câncer), 61 mil novos casos são registrados anualmente no país, sendo responsáveis por cerca de 13 mil mortes.

O diagnóstico precoce pode mudar o paradigma do câncer de próstata. Resultados favoráveis são alcançados em até 90% dos casos nessa fase. Porém, para se chegar ao diagnóstico, são necessários procedimentos invasivos que podem ter consequências graves.

O exame do PSA (Antígeno Prostático Específico), popularizou-se na década de 90, após sua aprovação pelo FDA (Food and Drug Administration – órgão americano equivalente à ANVISA) em 1986, e, com ele, surgiram avanços relevantes no tratamento e acompanhamento da neoplasia maligna da próstata. Contudo, como qualquer outro, esse exame tem suas limitações. Um exemplo disso é o fato de que a elevação dos níveis séricos de PSA é comum em consequência de outras enfermidades como prostatite aguda ou crônica e hiperplasia prostática benigna, o que pode levar a resultados falso positivos.

Aproximadamente 75% das biópsias prostáticas realizadas têm resultado negativo para o câncer, e cerca de 2% dos pacientes submetidos ao procedimento apresentam complicações que necessitam de internação hospitalar. Dessa maneira, a necessidade de novos métodos diagnósticos não invasivos visa reduzir as indicações de biópsias de próstata.

O novo exame do PHI (Prostate Health Index) utiliza a combinação de três marcadores presentes na amostra sanguínea: o PSA livre, o PSA total e o p2PSA. Um cálculo matemático permite determinar com mais assertividade as chances do paciente ter, de fato, câncer de próstata. Esse exame é aprovado desde 2012 pelo FDA e recomendado pela National Comprehensive Cancer Network.

 

2

Como citado anteriormente, muito se evoluiu no entendimento da doença, e hoje nem sempre o diagnóstico de câncer de próstata implica em se indicar o tratamento agressivo. Active Surveillance (AS) é o nome do protocolo de seguimento para esses casos de neoplasias indolentes que podem ser tratados e acompanhados de forma conservadora, sem risco para o paciente. O PHI tem sido avaliado em vários protocolos no intuito de se reduzir o número de biópsias e aumentar a segurança nesse seguimento. Até o momento, os dados são promissores.

Atualmente, espera-se que milhares de pessoas possam se beneficiar dessa
nova ferramenta, uma vez que sua aferição chega a reduzir em até 30% a indicação de biópsias em pacientes considerados candidatos apenas devido à alteração do PSA total. Além disso, a associação com doença de alto risco também tende a gerar benefícios na seleção de pacientes que poderão passar por terapias menos agressivas, como o já citado AS.


Fonte: Dr. Mateus Furtado Rocha / Urologista – CRM-MG 43824


 

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais

As 7 principais dúvidas sobre a Meningite Meningocócica

A meningite meningocócica é uma doença infecciosa grave que pode matar. A doença esteve em pauta recentemente e isso fez com que houvesse um aumento

Leia mais

Alteração em célula de defesa torna obesos e diabéticos mais suscetíveis a infecções

Estudo da USP publicado na Scientific Reports mostra que os neutrófilos desses indivíduos são menos eficazes no reconhecimento de bactérias e morrem mais facilmente Indivíduos obesos e

Leia mais

Março Marinho: São Paulo representa um terço dos novos casos esperados de câncer colorretal no país

Com 4 mil novos casos por ano, apenas na capital, São Paulo é o Estado que registra a maior prevalência de câncer colorretal (intestino grosso

Leia mais
Seções
Fechar Menu