fbpx

Grafeno e Saúde: o que é e qual pode ser sua importância para o futuro da medicina?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Em vídeo divulgado pela UNESP, Alexandre Reily Rocha, pesquisador do Instituto de Física Teórica da Unesp (IFT-Unesp), protagoniza o episódio da websérie de vídeos HPC Spotlight. Antes do grafeno ser descoberto, acreditava-se que a existência de um material bidimensional de longo alcance, ou seja, caso um material fosse verdadeiramente bidimensional ao ser “esticado”, seus átomos ficariam alinhados e ordenados de tal forma que não seria possível sua existência. Assim, partindo desta lei da física, o grafeno é o grafite “esticado”, que funcionou por muito tempo como uma ponta de microscópio eletrônico, segundo Alexandre. O grafite é formado por diversas camadas de carbono, organizadas em formato de colmeia; já o grafeno, é uma camada simples e organizada desses carbonos.

Assim, o grafeno possui propriedades muito particulares: é composto por átomos de carbono, que estabelecem relações químicas extremamente resistentes, além de serem bons condutores de calor e eletricidade. O grafeno é então uma descoberta bastante especial no campo da física da matéria condensada, como explica Alexandre. O pesquisador também coloca que uma das linhas de ideias para pesquisa com grafeno é o sequenciamento de DNA, e este elemento em particular é de extrema importância para o futuro da medicina.

Atualmente, o sequenciamento de DNA é realizado com técnicas avançadas, porém custosas e que requerem alto nível técnico para seu desenvolvimento. Segundo Alexandre, atualmente se faz com o método de Sanger, desenvolvido pelo britânico Frederick Sanger na década de 70.  O método de Sanger é ótico, além de ser complexo por ser constituído de diversas etapas. Assim, uma das ideias de utilização do grafeno é que ele possa baratear o custo destes tipos de análises, para possibilitar diagnósticos e tratamentos cada vez mais específicos e eficazes. “Para que você possa chegar no médico e dizer ‘Ah vamos fazer um sequenciamento do seu DNA para identificar todas as suas possibilidades de doenças'”, sugere Alexandre. Além disso, o pesquisador também avalia a importância da pesquisa neste campo para possibilitar, por exemplo, terapias dirigidas para cada indivíduo, testando através do sequenciamento se determinada droga terá o efeito desejado ou não.

Para o professor, é preciso encontrar uma nova metodologia que possa reduzir drasticamente o custo atual dos testes de sequenciamento de DNA, e para isso é necessário algo totalmente diferente e inovador do que se enxerga hoje. Assim, Alexandre deposita suas expectativas no avanço das pesquisas com grafeno.

Veja abaixo o vídeo completo >> aqui <<

 

Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu