75 anos do Laboratório de Pesquisas Clínicas Plinio Bacelar

No começo, a intenção era auxiliar o diagnóstico dos seus pacientes, já que tinha especialização em Gastroenterologia, no início da década de 40. O que o médico Plinio Bacelar da Silva não imaginou foi que, a iniciativa pioneira de montar um laboratório de pesquisa anexo ao seu consultório, se tornaria referência em diversos setores de análises e pesquisas clínicas com certificações e acreditações nacionais e internacionais. O Laboratório de Pesquisas Clínicas Plinio Bacelar conta, atualmente, com a sede no Centro de Campos e 24 unidades de atendimentos que abrangem as regiões Norte Fluminense e Lagos. São 75 anos de história de compromisso com a qualidade, aliando tradição a novas tecnologias.

“Ao longo de sua história, o Laboratório Plinio Bacelar investiu continuamente na melhoria de processos e serviços e adotou os mais rigorosos padrões tecnológicos e de segurança do país. E a expectativa, depois de mais de sete décadas de existência, é continuar auxiliando os diagnósticos em alto nível, permitindo o acesso aos serviços ao maior público possível e sempre atento às novas tecnologias e exigências da área da Saúde. Hoje, temos o que há de mais moderno do mundo, realizando exames mais simples como também os que requerem tecnologias mais modernas como: Biologia Molecular”, explicou o diretor administrativo, Pedro Bacelar.

O primeiro pedido de exame enviado ao médico Plínio Bacelar por seu colega de profissão, o doutor Philippe Uébe, em 28 de julho de 1942, é considerado o registro de fundação do laboratório. O documento encontra-se guardado pela família.

De acordo com Pedro, na época, o minilaboratório informal em que o doutor Plínio pesquisava exames colhidos de seus pacientes a fim de auxiliar no tratamento deles foi ganhando fama e começou a ter demanda de colegas para pesquisas que colaborassem no diagnóstico de doenças de seus pacientes.

“Meu avô era médico formado pela Faculdade Nacional de Medicina e exercia a especialidade de Clínica Geral e Cirurgia. Naquela época, médicos como ele eram considerados médicos de família e conselheiros a quem as pessoas recorriam para todo e qualquer problema de saúde. Como ele se dedicava às pesquisas, resolveu abrir uma sala anexa ao seu consultório na Av. Alberto Torres. Era ali, que analisava os materiais coletados de seus pacientes. Depois ele mudou-se para os altos da Farmácia Arlindo, na antiga Rua da Quitanda, atual Rua Theotônio Ferreira de Araújo. Somente na década de 60, o laboratório tornou-se uma empresa – Laboratório de Pesquisas Clínicas Ltda. Foi quando um de seus filhos, Carlos Bacelar, em 1969, retornou a Campos formado em ciências biológicas e, mediante ao aumento da demanda pelos serviços oferecidos, viu a necessidade de se adequar à nova realidade. Apesar da resistência de meu avô, o laboratório ganhou o nome dele, porque popularmente todos se referiam a ele como laboratório do doutor Plino Bacelar”, relatou Pedro.

Entre as décadas de 60 e 70, o laboratório ganhou outro perfil. Iniciou-se um processo de evolução de demanda de Medicina mais específica e exames mais avançados. Junto de seu pai, Carlos Bacelar contou com o irmão Eraldo que, após se formar em farmacêutico bioquímico, passou a integrar a equipe. Outro momento importante veio a acontecer na década de 90, quando a empresa passou a focar nos convênios e na melhoria dos serviços oferecidos conforme lembrou o diretor administrativo. “Buscou-se novos equipamentos tecnológicos e a adesão à informatização. Em 1984, já tínhamos computadores no laboratório; criamos o primeiro site e começamos a trabalhar em rede em 1997 e, dois anos depois adquirimos um novo sistema, o softlab, que está conosco até hoje. Éramos o único laboratório totalmente informatizado”.

Mas as conquistas não pararam por aí. O laboratório começou a priorizar profissionais altamente capacitados para integrar a equipe e adquiriu equipamentos de empresas de referência como: Johnson&Johnson, Siemens e Abbott. Com o desligamento do doutor Eraldo Bacelar, assumindo outros compromissos profissionais, chega a terceira geração da família com Renato Bacelar, biólogo responsável técnico, e Leonardo Bacelar, médico e consultor científico, ambos com especialização na área de análises clínicas, hematologia e microbiologia. Anos depois, a equipe ganharia o reforço de Pedro Bacelar, formado em biologia e administração de empresas, e da farmacêutica bioquímica Bettina Bacelar, os dois profissionais com pós-graduação em gestão em saúde e especialização em análises clínicas. Passou-se a buscar qualidade total na prestação de serviços.

“Em 2001, o laboratório obteve a primeira certificação: o DICQ, auditado pela Sociedade Brasileira de Análises Clínicas, tornando-se o quinto laboratório no estado do Rio e o primeiro no interior fluminense a ter essa certificação. Em 2005, depois de dois anos de auditoria, conseguimos a certificação ISO 9001, sendo a primeira a empresa do interior na área de Saúde”, orgulha-se Pedro.

Em 2003, uma nova sede, instalada na Rua José do Patrocínio, foi inaugurada. O laboratório saiu do prédio da Lacerda Sobrinho, onde funcionou durante anos, e ganhou uma estrutura exclusiva dentro dos padrões nacionais e internacionais. A empresa, que já contava com uma unidade de atendimento na Av. Pelinca desde 1997, expandiu o atendimento a outros pontos do município e a cidades vizinhas. O objetivo era ampliar o acesso aos serviços a pacientes e descentralizar o atendimento.

“Atualmente, o laboratório, com sua sede e unidades de atendimento, realiza mais de 250 mil exames por mês. Todos os exames e serviços são supervisionados por uma equipe de mais de 110 colaboradores diretos e 60, indiretos”, finalizou Pedro Bacelar.

Nathércia - 75 Anos do Laboratório 3 - Horizontal

Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu