fbpx

O exame Hevylite ganha destaque nas Diretrizes Internacionais

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

É com satisfação que a The Binding Site Group anuncia que o teste Hevylite para quantificação de cadeias pesadas/leves já faz parte da mais atual diretriz do Grupo Internacional de Mieloma (IMWG).

O trabalho foi publicado neste mês de agosto de 2016, na revista The Lancet Oncology, por Shaji Kumar e colaboradores:  “International Myeloma Working Group consensus criteria for response and minimal residual disease assessment in multiple myeloma”- Kumar et al. Lancet Oncology 2016; 17(8): e328-346.

A diretriz destaca que o teste Hevylite supera limitações já conhecidas do método de eletroforese de proteínas e possibita melhor quantificação da imunoglobina monoclonal IgA. Dessa forma, o Hevylite  é recomendado no monitoramento de pacientes com mieloma múltiplo, pois pode indicar a normalização do sistema imune e auxiliar na avaliação da doença residual mínima.

O Hevylite é o primeiro teste que distingue e quantifica as combinações de cadeias pesadas/leves das imunoglobulinas, ou seja, quantificam os isotipos de imunoglobulinas intactas kappa e lambda (por exemplo: IgAκ vs. IgAλ; IgGκ vs. IgGλ; IgMκ vs. IgMλ).  O teste tem como alvo um epítopo único presente na região constante das imunoglobulinas entre as cadeias pesadas e leves. A especificidade do antisoro do Hevylite, permite que IgAκ possa ser quantificada independentemente de IgAλ, IgGκ de IgGλ etc.

O Hevylite é um teste sensível e específico para o monitoramento de pacientes com mieloma e pode identificar recidiva precoce e como dito a doença residual. Além disso, é um teste quantitativo e totalmente automatizado. A quantificação dos pares de cadeias pesadas e leves individualmente nunca foi possível de ser realizada, mas o teste de Hevylite é específico e único para tal.

As vantagens da utilização de Hevylite se sobressaem sobre os métodos tradicionais como a eletroforese de proteínas do soro (EPS), imunofixação sérica (IFS) e a eletroforese capilar (EZC) quando utilizados para avaliação dos pacientes com Mieloma. A associação do Hevylite com o Freelite no monitoramento dos pacientes com Mieloma Múltiplo garante a maior precisão e fornecem informações complementares para a conduta médica de pacientes com Mieloma Múltiplo.

Em resumo, segue o caminho preconizado para diagnóstico e monitoramento para pacientes com Mieloma Múltiplo:

1a

“A incorporação do Hevylite nas diretrizes internacionais nos deixa muito motivados para continuarmos difundindo conhecimento aplicado ao diagnóstico médico especializado. Em conjunto com o Freelite (dosagem de cadeias kappa e lambda leves livres), o Hevylite mantém a The Binding Site na vanguarda tecnológica e abre novas perspectivas no campo da medicina personalizada. Seguramente o maior beneficiado será o paciente”, segundo Dra. Elyara Soares, Diretora Científica da The Binding Site Brazil.

Tanto Hevylite quanto Freelite já estao comercialmente disponível no Brasil.


Para mais informações, visitem as páginas www.bindingsite.com.br e www.freelite.com.br ou escreva para [email protected].


 

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais

As 7 principais dúvidas sobre a Meningite Meningocócica

A meningite meningocócica é uma doença infecciosa grave que pode matar. A doença esteve em pauta recentemente e isso fez com que houvesse um aumento

Leia mais

Alteração em célula de defesa torna obesos e diabéticos mais suscetíveis a infecções

Estudo da USP publicado na Scientific Reports mostra que os neutrófilos desses indivíduos são menos eficazes no reconhecimento de bactérias e morrem mais facilmente Indivíduos obesos e

Leia mais

Março Marinho: São Paulo representa um terço dos novos casos esperados de câncer colorretal no país

Com 4 mil novos casos por ano, apenas na capital, São Paulo é o Estado que registra a maior prevalência de câncer colorretal (intestino grosso

Leia mais
Seções
Fechar Menu