fbpx

Novo exame de sangue tem 94% de acurácia para diagnosticar Alzheimer

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Um novo exame de sangue para detectar alterações cerebrais emblemáticas da fase inicial da doença de Alzheimer deu um passo adiante, e pode vir a ser uma divisor de águas.

Os pesquisadores descobriram a dosagem plasmática da razão da β-amiloide (Aβ) 42 e da Aβ40 feita com um teste de alta precisão tem 94% de acurácia no diagnóstico da amiloidose cerebral, utilizando como parâmetro de referência a tomografia computadorizada por emissão de pósitrons (PET, sigla do inglês, Positron Emission Tomography) para amiloide ou para proteína tau fosforilada no liquor 181/Aβ42.

“Atualmente, nós realizamos TC de crânio para triar os candidatos a participar de ensaios clínicos, o que é demorado e caro, e o recrutamento de participantes leva anos”, disse em um comunicado o pesquisador sênior, Dr. Randall J. Bateman, médico e professor de neurologia na Washington University School of Medicine, nos Estados Unidos.

“Mas, com um exame de sangue, possivelmente vamos poder rastrear milhares de pessoas por mês. Isso significa que poderemos recrutar participantes para ensaios clínicos de forma mais eficaz, o que irá nos ajudar a encontrar tratamentos mais rapidamente, e pode ter um impacto enorme no custo da doença, bem como no sofrimento humano a ela atrelado”, acrescentou o pesquisador.

O estudo foi publicado on-line em 1º de agosto no periódico Neurology.

Instrumento de triagem fácil

Com um ensaio de teste de imunoprecipitação com cromatografia líquida e espectrometria de massa, os pesquisadores dosaram a razão Aβ42/Aβ40 em amostras de plasma e de liquor provenientes de 158 idosos, em sua maioria com cognição normal (94% com pontuação = 0 na Clinical Dementia Rate, CDR), coletadas dentro de 18 meses da PET scan amiloide.

Os pesquisadores informaram que a razão de Aβ42/Aβ40 no plasma teve alta correlação com a classificação dos depósitos amiloides pela PET (área sob a curva ou AUC, do inglês Area Under the Curve, por característica de operação do receptor = 0,88; intervalo de confiança, IC, de 95%, de 0,82 a 0,93) e com a razão de proteína tau 181/Aβ42 no liquor (AUC = 0,85; IC 95%, de 0,79 a 0,92).

A combinação da razão plasmática de Aβ42/Aβ40, idade e status de apolipoproteína E (APOE) ε4 teve uma correlação “muito alta” com a PET amiloide (AUC = 0,94; IC 95% de 0,90 a 0,97), “sugerindo que os níveis plasmáticos de Aβ42/Aβ40 podem ser usados como instrumento de triagem para as pessoas com risco de demência”, escreveram os pesquisadores.

Além disso, as pessoas com razão plasmática de Aβ42/Aβ40 positiva, mas PET amiloide negativa têm risco 15 vezes maior de conversão em PET amiloide positiva (= 0,01).

“A sensibilidade do ensaio da razão plasmática de Aβ42/Aβ40 para as pessoas cujo resultado negativo pela PET amiloide converte para positivo sugere que os níveis plasmáticos da razão Aβ42/Aβ40 se tornam positivos mais cedo do que o limiar para a PET amiloide usado neste estudo”, disseram o Dr. Randall e colaboradores no artigo.

“Portanto, um resultado positivo da razão plasmática de Aβ42/Aβ40 com um resultado negativo da PET amiloide pode representar a fase inicial da amiloidose, em vez de um resultado falso-positivo, em alguns casos”, acrescentam os pesquisadores.

Conforme publicado pelo Medscape, o estudo se fundamenta em trabalhos anteriores feitos pelos mesmos pesquisadores.

O uso mais imediato para o ensaio da razão plasmática de Aβ42/Aβ40 é triagem da amiloidose cerebral em potenciais participantes de ensaios clínicos com medicamentos para doença de Alzheimer, indicaram os pesquisadores.

A triagem com a razão plasmática de Aβ42/Aβ40 poderia reduzir significativamente o número de exames confirmatórios, como PET amiloide ou biomarcadores no liquor, necessários para identificar os pacientes com amiloidose cerebral, especialmente no caso dos ensaios de prevenção, que recrutam pessoas com cognição normal e uma quantidade relativamente baixa de amiloidose cerebral.

Os pesquisadores estimaram que, para um ensaio de prevenção semelhante ao Anti-Amyloid Treatment in Asymptomatic Alzheimer’s (A4), a pré-triagem pela dosagem da razão plasmática de Aβ42/Aβ40 iria reduzir o número de leituras necessárias pela PET amiloide em 62%, “resultando em uma redução significativa de tempo e de custos de recrutamento”.

Uma “virada de jogo”

Esses achados poderiam ser uma “virada de jogo” no campo da pesquisa em doença de Alzheimer, escreveram a Dra. Barbara Bendlin, Ph.D., do Wisconsin Alzheimer’s Disease Research Center, em Madison, e o Dr. Henrik Zetterberg, médico, Ph.D., do UK Dementia Research Institute em Londres, no editorial que acompanha o estudo.

“Os resultados são impressionantes”, acrescentaram, revelando que a relação entre esses dois peptídeos está associada à PET amiloide, bem como com a razão de proteína tau 181/Aβ42 no liquor.

“Surpreendentemente, em um pequeno subconjunto de participantes cujo resultado da PET amiloide foi negativo ao início do estudo, o teste sanguíneo previu a futura conversão da PET amiloide em positiva”, destacaram.

“Os resultados deste estudo estão bem alinhados aos dos estudos anteriores, e indicam a possibilidade real de utilizar um biomarcador plasmático para o rastreamento da amiloidose cerebral”, acrescentaram os editorialistas.

No entanto, para chegar ao atendimento de rotina, será necessário mais trabalho, alertaram a Dra. Barbara e o Dr. Henrik.

Os editorialistas observaram que os participantes do estudo eram, em grande parte, cognitivamente hígidos, o que da perspectiva dos estudos pré-clínicos para o início do tratamento é desejável, mas restringe a generalização para a população clínica típica.

Este estudo foi subsidiado pelo National Institute on Aging, que é parte do National Institutes of Health (NIH); pelas Alzheimer’s Association, Foundation for Barnes-Jewish Hospital, Eli Lilly Co/Avid Radiopharmaceuticals; e por uma fundação anônima. O Dr. Randall J. Bateman é cofundador da empresa C2N Diagnostics. A Washington University e o Dr. Randall têm participação acionária na empresa C2N Diagnostics e recebem royalties pela tecnologia usada (cinética de isótopo estável de rotulagem e ensaio plasmático), licenciada pela Washington University para a C2N Diagnostics. Dr. Randall recebe rendimentos da C2N Diagnostics como membro do conselho científico consultivo. A Washington University, com o Dr. Randall como coinventor, apresentou o pedido de patente provisória para Plasma Based Methods for Detecting CNS Amyloid Deposition. O Dr. Randall presta consultoria para as empresas AbbVie, Genentech, Roche, Pfizer, Boehringer-Ingelheim e Merck. A Dra. Barbara Bendlin recebeu agentes precursores e de imagens da empresa Avid Radiopharmaceuticals. O Dr. Henrik Zetterberg é cofundador da Brain Biomarker Solutions em Gotemburgo AB, empresa que faz parte da plataforma GU Ventures na University of Gothenburg; participou de conselhos científicos consultivos nas empresas Roche Diagnostics, Samumed, CogRx e Wave; e deu palestras em simpósios patrocinados pela Biogen e Alzecure.

Neurology. Publicado on-line em 1º de agosto de 2019. Abstract Editorial

Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu