fbpx

No Março Azul-Marinho, Sociedade Brasileira de Cancerologia faz alerta para prevenção do câncer colorretal

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Presidente da SBC, Ricardo Antunes, destaca que a colonoscopia é um dos métodos mais importantes na prevenção e detecção precoce do câncer colorretal, que está em crescimento no país com mais de 36 mil casos anuais

No mês em que é conscientizado o câncer colorretal ou de intestino, no Março Azul-Marinho, a Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC) faz um alerta para a prevenção da doença, que vem crescendo no Brasil e no mundo.

Segundo Ricardo Antunes, cirurgião oncológico e presidente da SBC- Sociedade Brasileira de Cancerologia, o crescimento da doença torna especialmente importante a prevenção, que pode levar a uma significativa diminuição na incidência e na mortalidade. “A prevenção do câncer colorretal é estruturada a partir de três grandes pilares: mudança de comportamento e conscientização populacional, rastreamento do câncer e de lesões precursoras, tratamento rápido e acessível a todos”, alerta o oncologista.

A sociedade Brasileira de Cancerologia destaca que em vista dos custos e a complexidade do tratamento considerando a alta incidência e mortalidade do CCR, a prevenção pelo rastreamento se faz necessária, propiciando o diagnóstico da doença em fases iniciais com maior possibilidade de cura.

As opções disponíveis para o rastreamento do CCR incluem métodos indiretos e diretos. Os métodos indiretos são aqueles que incluem os testes de Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes e os diretos são aqueles que permitem a visualização da mucosa intestinal, como a colonoscopia, que possibilita além do diagnóstico precoce, a identificação e retirada de lesões precursoras, os pólipos, interrompendo a sequência adenoma-adenocarcinoma. Para o presidente da Sociedade Brasileira de Cancerologia, a retirada dos pólipos adenomatosos pela polipectomia através da colonoscopia é o melhor método de prevenção do CCR.

A maioria dos casos de câncer colorretal é do tipo esporádico, sem relação genética, e seu aparecimento aumenta com a idade acima de 50 anos em ambos os sexos, são os de risco moderado. Os casos restantes são os indivíduos com história familiar de câncer colorretal e pólipos, onde existe o fator genético, sendo considerados de alto risco para o desenvolvimento desse tipo de câncer. Nesses casos, o médico recomenda que o rastreamento deve ser iniciado em idade mais precoce, aos 45 anos de idade, como recomenda a Sociedade Americana de Cirurgia e a Sociedade Brasileira de Cancerologia.

A prevenção da doença começa com a diminuição da exposição aos fatores de risco.

Ele também destaca a importância de praticar atividades físicas e ter uma alimentação saudável e manter o peso dentro dos limites da normalidade com o objetivo de evitar o câncer colorretal. Também é importante que as pessoas não fumem e evitem o álcool.

3º tipo de câncer em mortalidade

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o câncer colorretal é o terceiro tipo de câncer letal com maior incidência, perdendo apenas para os cânceres de pulmão e de mama.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), a estimativa de novos casos, só em 2018, era de 36.360, sendo 17.380 homens e 18.980 mulheres. O último dado divulgado sobre número de morte, em 2015, apontava 16.697 vítimas de câncer colorretal.

Apesar de ser um dos mais letais, o câncer do intestino é uma doença tratável e frequentemente curável dependendo do estágio em que é descoberto.

Tratamento

A cirurgia é o tratamento inicial, retirando- se a parte do intestino afetada e os gânglios linfáticos dentro do abdômen. Outras etapas do tratamento incluem a radioterapia associada ou não à quimioterapia para diminuir a possibilidade de recidiva do tumor.

O tratamento depende principalmente do tamanho, localização e extensão do tumor. Quando a doença está espalhada, com metástases para o fígado, pulmão ou outros órgãos, as chances de cura ficam reduzidas.

Após o tratamento é importante realizar o acompanhamento médico para monitoramento de recidivas ou novos tumores.

História

Fundada em 1946, a Sociedade Brasileira de Cancerologia (SBC) é uma entidade civil e científica, de utilidade pública e de direito privado  sem fins lucrativos. É a mais antiga instituição no gênero na América do Sul e objetiva estudar e debater todos os problemas de combate ao câncer no Brasil, promovendo campanhas educativas e discutindo em eventos científicos os maiores avanços no tratamento oncológico.

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo identifica novas funções de molécula envolvida no melanoma

Novos testes em animais e em células de melanoma em cultura mostraram que uma molécula conhecida como RMEL3, presente na maioria dos casos desse tipo

Leia mais

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais
Seções
Fechar Menu