fbpx

Dia Nacional da Hemofilia: Hematologista explica sintomas e como controlar a doença

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Patologia com maior incidência em homens tem cerca de 12 mil brasileiros atingidos

O dia 4 de janeiro é considerado “Dia Nacional da Hemofilia”. A escolha da data está associada ao falecimento do famoso cartunista e hemofílico Henfil. De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil tem cerca de 12 mil pessoas que sofrem com a doença. “A hemofilia prejudica a capacidade em controlar a circulação do sangue, além de dificultar o processo de coagulação, o que pode provocar hemorragias”, esclarece o hematologista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Dr. André Tavares. Estudos mostram que o os homens são os mais afetados pela doença. O especialista explica que a hemofilia está ligada à alteração do cromossomo X. Portanto, como a mulher apresenta dois cromossomos X, caso um seja modificado, há outro para compensá-lo. Já os homens só apresentam um X, sendo assim, se este for afetado, não haverá outro cromossomo para substitui-lo.

A maior parte dos quadros de hemofilia é hereditária. Apenas uma pequena parcela é ocasionada por deficiência adquirida, o que pode acontecer após o aparecimento de um câncer, por exemplo. “Os sintomas manifestados e que devemos ficar atentos são as hermatroses (acúmulo de sangue dentro de uma articulação), hematomas musculares, sangramentos no nariz, gengiva, sistema digestivo e urinário, além de hemorragia intracraniana”, esclarece Dr. Tavares. É preciso atenção à ocorrência de quadros de sangramentos anormais – com grande volume e alta velocidade na perda do sangue –, em qualquer parte do corpo e que podem ser espontâneos ou provenientes de traumas. “Caso isso aconteça, procure um médico. O diagnóstico é confirmado por meio de exame laboratorial que detecta a deficiência do componente do sangue envolvido”, alerta.

Para controlar a doença, é necessário o envolvimento de uma equipe multiprofissional, composta por médico hematologista, dentista, fisioterapeuta, psicólogo e assistente social. “O tratamento é feito por meio de reposição do fator deficiente, bem como o uso de compressas de gelo e de agentes tópicos (fibrinolíticos), que ajudam a diminuir e conter o sangramento”. Se o paciente for realizar algum procedimento cirúrgico, há um acompanhamento profilático que o prepara previamente para caso haja manifestação hemorrágica.

Embora os medicamentos para a hemofilia no Brasil estejam mais acessíveis, o que aumentou a expectativa de vida destes pacientes, não há cura para a doença. “Pesquisas por meio da engenharia genética estão sendo realizadas na tentativa de estimular a produção do fator sanguíneo deficiente. No futuro, pode vir a ser uma doença curável”, finaliza o médico.


 

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo identifica novas funções de molécula envolvida no melanoma

Novos testes em animais e em células de melanoma em cultura mostraram que uma molécula conhecida como RMEL3, presente na maioria dos casos desse tipo

Leia mais

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais
Seções
Fechar Menu