fbpx

Tecnologia pode reduzir casos de glaucoma e trazer outros benefícios para a Saúde

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O palestrante Pini Ben-Elazar apresentará plataforma inovadora e abordará o impacto de dispositivos móveis para a assistência no Global Summit Telemedicine & Digital Health

Pini Ben-Elazar estará no Brasil, de 4 a 6 de abril de 2019, discorrendo sobre várias inovações na Medicina. Ele é uma das estrelas do Global Summit Telemedicine & Digital Health, evento inédito no País e o maior do setor na América Latina, que ocorrerá, no Transamerica Expo Center, em São Paulo.

Entre as inovações digitais que abordará está o Preceyese, que é uma plataforma projetada para reduzir o risco do glaucoma, melhorando o tratamento por meio da detecção precoce, aperfeiçoamento de monitoramento e manejo. Esta doença pode causar cegueira e já afeta cerca de 900 mil pessoas no Brasil. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o glaucoma afetará 80 milhões de indivíduos no mundo inteiro em 2020.

O Global Summit trará outros importantes nomes, referências mundiais para discutir a nova era da Saúde Digital e o futuro da Telemedicina na profissão, tais como o médico-cientista, inventor e empreendedor Daniel Kraft, da Singularity University; o investigador e docente da Universidade Nova de Lisboa Luiz Lapão; e Frank Lievens, membro do conselho da International Society for Telemedicine & eHealth. Eles e diversos outros especialistas compartilharão suas experiências em nações de mercados mais maduros sobre inteligência artificial, machine learning, dispositivos vestíveis e outros temas relevantes e atuais.

Em sua conferência, Pini mostrará como dados de saúde gerados e armazenados de forma simples e em conjunto com médicos, profissionais e os próprios cidadão já solucionam demandas de atenção primária sem que as pessoas precisem sair de casa ou de suas comunidades.

O Preceyse é um desses exemplos. O especialista afirma que pode ser a solução para populações distantes, que não têm acesso à assistência de qualidade.

Confira entrevista a seguir:

Quais são os objetivos do Preceyese?

Desenvolver um tonômetro caseiro para reduzir o risco do glaucoma e melhorar o tratamento da doença pelo diagnóstico precoce, monitoramento e manejo.

No geral, como você enxerga o papel das novas tecnologias no mundo da Saúde atualmente?

Os dispositivos  digitais, de uso doméstico, empoderam o paciente, deixando-o apto para monitorar e controlar sua doença. Dão a ele paz de espírito e o encorajam a agir, além de personalizarem o tratamento. Tudo isso ajuda na aderência ao tratamento e nos desfechos dos problemas de saúde. Essas tecnologias manterão a promessa de qualificar a saúde dos pacientes, balanceando seus custos, pois tratamentos personalizados, no tempo e níveis certos, previnem recorrências, gastos e usos desnecessários ao sistema de saúde.

Em muitos países, ainda há falta de cuidados com populações em áreas distantes e em periferias. Como a tecnologia poderia nos ajudar a resolver esse problema social?

O nosso tonômetro tem custo acessível e é desenhado para uso próprio e portátil. Não requer um perito para opera-lo. Essa tecnologia levará a habilidade para medir a pressão intraocular, que é o principal fator de risco para um glaucoma, para qualquer um, em qualquer lugar.

Quais os benefícios que tais tecnologias trazem para o sistema e as instituições de saúde, como hospitais, clínicas e laboratórios?

O apoio à prevenção da cegueira torna o cuidado mais eficiente e ajuda a manter os pacientes em um estágio mais barato da doença, diminuindo custos para os próprios pacientes, suas famílias, sistemas de saúde e a economia. Além disso, nossa tecnologia, por exemplo, vai gerar dados brutos sobre a pressão intraocular, a histerese e o comportamento da córnea, para fins de pesquisa e desenvolvimento.


Sobre Pini Ben-Elazar

É executivo de negócios com mais de 20 anos de experiência em liderança para mudanças e crescimento estratégico no setor de Saúde. Com MBA pela Johnson & Wales University, de Rhode Island (EUA), é diretor executivo da Mor desde 2003. Nesse período na companhia, foi responsável pela criação de 60 startups, nos campos farmacêuticos, de dispositivos médicos, diagnósticos e saúde digital.

Também tem trabalhado para criar colaborações com parceiros em todas as disciplinas do setor de Saúde, a fim de conduzir inovação e crescimento significativos para o portfólio da Mor. Antes da empresa, já atuou como diretor e presidente do conselho de outras 35. Fundou a Bio-Gal Pini, por exemplo, empresa biotecnológica que lida com mieloma múltiplo, e foi fundida com a XLT, de capital aberto. Ainda foi diretor executivo da ON Centros Médicos, modelo de franquias e empresas que resultou na abertura de 70 clínicas em 17 países, com 400 médicos empregados.

Confira a ultima edição da Newslab

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais

As 7 principais dúvidas sobre a Meningite Meningocócica

A meningite meningocócica é uma doença infecciosa grave que pode matar. A doença esteve em pauta recentemente e isso fez com que houvesse um aumento

Leia mais
Seções
Fechar Menu