fbpx

Tecnologia da Unicamp possibilita a avaliação do funcionamento da bexiga com mínimo de desconforto para o paciente

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

 


Na imagem: José Bassani e Carlos Ancona


Dar mais conforto aos pacientes na avaliação urodinâmica, estudo do armazenamento, transporte e esvaziamento da bexiga, foi um dos propósitos das pesquisas realizadas pelos Pesquisadores da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) e do Centro de Engenharia Biomédica (CEB). Eles desenvolveram um dispositivo denominado conector uretral que, além de proporcionar maior comodidade aos pacientes, também diminui o risco de infecção e possibilita medir o aumento da pressão dentro da bexiga – pressão vesical – de maneira minimamente invasiva, ao contrário das opções disponíveis no mercado nacional, atualmente. Confeccionado em PVC e Teflon, não apresenta necessidade de sondas, já passou por testes em pacientes do Hospital das Clínicas (HC) da Unicamp e foi licenciado, em 2016, para a empresa Dynamed.

O conector demonstra potencial para auxiliar o diagnóstico médico e orientar o tratamento, com maior eficácia, sem o uso incômodo das convencionais sondas e, consequentemente, sem ocasionar dor aos pacientes durante as avaliações urodinâmicas. “É muito importante para avaliar o funcionamento da bexiga e se a próstata atrapalha a saída da urina”, avalia o docente Carlos Arturo Levi D´Ancona, da FCM, e um dos responsáveis pelos estudos.

“O método convencional é invasivo, caro, requer equipe especializada e não é imune a efeitos adversos como sangramento e infecção. A pressão vesical (ou pressão do interior da bexiga) é um parâmetro importante para a decisão clínica quanto a necessidade de cirurgia da próstata. A ideia foi procurar uma solução que fosse não invasiva ou minimamente invasiva para medir a pressão vesical”, defende o professor José Wilson Magalhães Bassani, do CEB, e que também atuou no desenvolvimento da tecnologia.

O professor D´Ancona conta que é comum que os pacientes se queixem sobre o desconforto causado pelos exames tradicionais e isso foi um fator de motivação para reunir esforços e expertises dos profissionais do CEB e do FCM no desenvolvimento conjunto da nova tecnologia. “A ideia era simplificar o exame urodinâmico. Então, fui consultar o Professor Bassani com esse problema. Após várias reuniões, surgiu a ideia do conector uretral. Depois, foi feito um protótipo que funcionou muito bem e começamos a fazer estudos para avaliar o potencial desse método”, lembra.

Manoel Pedro Soares, sócio da Dynamed, conta que a empresa auxiliou na construção do protótipo do dispositivo e que já estão sendo realizados testes pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) para disponibilizar a tecnologia no mercado. “O Registro do produto junto à Anvisa já está em andamento e pretendemos lançá-lo em conjunto, num dos congressos nacionais da área de urologia que acontecerão ainda em 2017”, revela. Ele conta que o interesse pelo licenciamento da tecnologia se deu por conta da possibilidade de substituir os métodos utilizados nos exames sobre o funcionamento da bexiga. “Os benefícios serão os de venda de novos produtos e também da inserção da inovação, em equipamentos já instalados pelo Brasil e toda América Latina, como uma forma de upgrade”, corrobora.

Os docentes avaliam que a Agência de Inovação Inova Unicamp teve um papel primordial na elaboração do contrato de licenciamento de tecnologia. Já na opinião de Soares, o papel da Inova foi importante para o acompanhamento de cada uma das etapas até a transferência tecnológica. Também participaram do desenvolvimento do dispositivo, o então aluno de mestrado, João Carlos Martins de Almeida, a Doutora Rosângela Higa, as pesquisadoras Iris Raquel de Paula Domene Martins e Stella Hilker e as alunas de Iniciação Científica Marianne Yu e Natalie Lecce.

“Ter uma empresa, como a Dynamed, trabalhando conjuntamente com a equipe de pesquisadores da Unicamp, certamente fortalece o desenvolvimento da patente, possibilitando inseri-la no mercado como um produto mais adequado do ponto de vista de custo, de alto valor tecnológico que poderá propiciar um conforto ao paciente. Fazer a interface entre a Unicamp e a empresa, na estratégia e modelo de transferência é um dos objetivos da Inova, exemplificado com sucesso neste caso”, comenta Iara Ferreira, diretora de parcerias da Inova Unicamp.

Mais sobre a Dynamed

Fundada em 1992, a empresa tem produzido equipamentos diagnósticos eletrônico-informatizados. São produtos de alta tecnologia eletrônica e software embarcados para diagnóstico de disfunções no trato urinário inferior e também do sistema gastrointestinal. Equipamentos para estudos como: avaliação urodinâmica, pHmetria esofágica, manometrias anorretal e esofágica, testes respiratórios de hidrogênio expirado para intolerância à lactose e outros açúcares e outros equipamento para reabilitação pélvica. Conta, atualmente, com 20 funcionários em prédio e laboratório próprios, possui distribuidores e equipamento vendidos por toda a América Latina e tem seu faturamento na ordem de R$3,5 milhões anuais.


Patente: BR 10 2013 005005 9 / Código interno da tecnologia: 649_VESICAL


Fonte: Inova Unicamp / Texto: Carolina Octaviano/ Foto: Thomaz Marostegan


 

Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu