fbpx

Stago webinars: levando o conhecimento para os quatro cantos do mundo | Newslab 148

Com o objetivo de gerar conhecimento na área de hemostasia e trombose, a Stago promove a cada trimestre webinars de assuntos relevantes e amplamente discutidos pela classe médica.

Em média, são mais de 400 participantes em todo o mundo, conectados simultaneamente nos dois dias em que as aulas são realizadas ao vivo.

Além da palestra online, o usuário também tem o benefício de assistir às videoaulas, em qualquer hora do dia e em qualquer dia da semana. São diversos temas com duração média de 30 minutos:

  • Dímero-D: Seu uso na estratégia de exclusão de VTE e no risco de recorrência de TEV
  • Novos insights no teste de Anticoagulante Lúpico
  • Controle de Qualidade no Laboratório de Hemostasia.
  • Como interpretar resultados de TTPa?, etc.

No último webinar, foi discutido um tema bastante abordado por cardiologistas, hematologistas e outros especialistas: Dosagem de dos anticoagulantes diretos para o manejo pacientes pré-operatórios. Ministrado pelo prof. Pierre Albaladejo, medicina intensiva e Anestesia, do Hospital da Universidade de Grenoble & Grenoble Alps. Grenoble, France

Os anticoagulantes orais não antagonistas da vitamina K (NOACs), dabigatran (um inibidor direto da trombina), rivaroxabana, e recentemente a apixabana – inibidores diretos do fator Xa, são utilizados para prevenção de acidente vascular cerebral e embolia sistêmica em pacientes com fibrilação atrial não valvular (FA), tratamento e prevenção secundária do tromboembolismo venoso e a prevenção do tromboembolismo venoso após cirurgia ortopédica. Na grande maioria dos casos, estas novas drogas não requerem monitorização laboratorial de rotina.

Em sua aula, o Professor Albaladejo salientou que é muito importante que, antes da introdução da terapia, seja verificado a idade, o peso, o nível sérico da creatinina, o clearance de creatinina e o uso simultâneo de outros medicamentos.  Os testes de rotina convencionais (TP, TTPa e TT) não são específicos para a decisão terapêutica, citando como exemplo o Tempo de Trombina (TT), que é muito sensível para dabigatrana, o tempo de protrombina (TP) e o tempo de tromboplastina parcial ativada (TTPa), que possuem baixa sensibilidade para os anticoagulantes diretos não sendo testes que permitem avaliar uma sobre dose, o momento de uma interrupção da anticoagulação e uma imediata cirurgia. Neste caso, o uso do ensaio anti-Xa calibrado para as drogas diretas (rivaroxabana, apixabana e edoxaban) é considerado um teste específico e permite melhor orientar a conduta médica, bem como o teste de ecarin para avaliação da dabigatrana.

Avaliação dos níveis plasmáticos das drogas diretas pode ser considerada importante não para verificar se o paciente está na faixa anticoagulação, mas a dosagem traria uma segurança para os pacientes que necessitam interromper a terapia para uma cirurgia de urgência. O risco de sangramento destes pacientes é mínimo, mas há sim um risco de formação de trombos após uma cirurgia, e a dosagem poderia nortear a reintrodução das drogas, conforme abordado por o Albaladejo.

Outro assunto abordado foi sobre o guideline europeu “The European Heart Rhythm Association Pratical Guide on use of non-vitamin K antagonist oral anticoagulants in patients with atrial fibrillation, 2018”, que sugere um algoritmo de conduta para pacientes que necessitam de cirurgia de urgência. Estes pacientes foram divididos em três grupos a partir do tempo de necessidade de intervenção associados com a avaliação dos testes de coagulação (TP, TTPa, anti-Xa e dTT) para indicar o momento exato da cirurgia bem como a utilização de antídoto para reverter ação da droga.

Para os pacientes de cirurgia eletiva, a verificação dos níveis sanguíneos das drogas diretas já não se faz necessária.

Embora os NOACs não exijam monitoramento de rotina, há circunstâncias especiais em que a medição de laboratório sua atividade anticoagulante pode ser indicada.

Para saber mais sobre este tema e outros, cadastre-se em  www.stagowebinars.com e amplie seus conhecimentos.


Sobre a Stago

A Stago possui um portifólio completo de reagentes para o monitoramento de diversas drogas anticoagulantes já disponíveis no mercado brasileiro.

Atualmente, conta com mais de 2 mil funcionários em todo o mundo e seus produtos estão disponíveis em mais de 110 países. Sua sede global, assim como as atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D), manufatura e logística estão localizadas em Paris, na França.


Stago

Tel : (11) 4410-4600

www.stago-br.com

[email protected]

Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu