fbpx

Sintomas que podem indicar doença dos rins

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O Dia Mundial do Rim, comemorado dia 14 de março, alerta para a saúde renal. Estima-se que exista 850 milhões de pessoas no mundo tenham doenças renais de várias causas, segundo a World Kidney Day.

A doença renal pode acometer qualquer pessoa, de qualquer idade ou sexo e entre as doenças mais comuns estão: cálculos renais (pedra nos rins); infecção renal ou pielonefrite; cistos renais; tumores ou câncer de rim e, em casos mais avançados e graves, a insuficiência renal.

Por isso, identificar um possível problema neste órgão é fundamental para o diagnóstico e tratamento adequado.

O médico nefrologista e presidente da Fundação Pró-Rim, Dr. Marcos Alexandre Vieira, alerta que, na maioria dos casos, as doenças renais não apresentam muitos sintomas em suas fases iniciais e muitas vezes quando se descobre, o problema está em uma fase mais avançada.

Porém, é preciso falar de alguns sinais que o organismo possa dar. Como:

1.      Pressão Alta e diabetes;

2.      Inchaço ao redor dos olhos e nas pernas;

3.      Fraqueza constante;

4.      Náuseas e vômitos frequentes;

5.      Dificuldade de urinar;

6.      Queimação ou dor quando urina;

7.      Urinar muitas vezes, principalmente à noite;

8.      Alteração na urina: urina com sangue, urina com muita espuma, dificuldade de urinar;

9.      Dor lombar;

10. História de pedras nos rins.

“Se reconhecer qualquer um desses sintomas, é essencial que a pessoa procure um médico para fazer uma avaliação criteriosa. Exames de sangue que medem a dosagem de creatinina, permite calcular a taxa de filtração do sangue nos rins. Já o exame de urina pode identificar a presença de sangue, proteínas, glicose ou outras substâncias que apontam para uma possível doença renal “, indica Dr. Marcos.

Já a insuficiência renal, que pode ser aguda ou crônica, é considerada o estágio em que os rins perdem subitamente a capacidade de filtrar resíduos, sais e líquidos do sangue. Ela apresenta outros sinais que devem ser levados em conta:

1.      Diminuição da produção de urina, embora, ocasionalmente, a urina permaneça normal;

2.      Retenção de líquidos, causando inchaço nas pernas, tornozelos ou pés;

3.      Sonolência;

4.      Falta de fome;

5.      Falta de ar;

6.      Fadiga;

7.      Confusão;

8.      Náusea e vômitos;

9.      Convulsões ou coma, em casos graves;

10. Dor ou pressão no peito.

O médico alerta que “as pessoas que possuem maiores chances de desenvolver insuficiência renal são aquelas que são diabéticas ou hipertensas. Além disso, antecedentes familiares ou pessoas com mais de 60 anos de idade também têm mais chance de desenvolver esta doença”.

O melhor conselho, segundo o nefrologista, é a prevenção. Veja:

·        Ingerir bastante líquidos;

·        Urinar em intervalos de 2 a 3 horas;

·        Mantenha o peso saudável;

·        Controle o diabetes;

·        Acompanhe a pressão arterial;

·        Evite o excesso de sal na alimentação;

·        Tenha uma alimentação equilibrada;

·        Pratique regularmente exercícios físicos;

·        Não use medicamentos sem orientação médica;

·        Não fume;

·        Faça exames preventivos: urina e creatinina;

·        Consultar seu médico regularmente.

Para saber mais sobre a saúde dos rins e do Dia Mundial do Rim, acesse: http://diamundialdorim.com.br/

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo identifica novas funções de molécula envolvida no melanoma

Novos testes em animais e em células de melanoma em cultura mostraram que uma molécula conhecida como RMEL3, presente na maioria dos casos desse tipo

Leia mais

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais
Seções
Fechar Menu