fbpx

São Paulo figura entre estados com maior número de casos de HIV

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

São Paulo figura entre estados com maior número de casos de HIV

A melhoria no diagnóstico e rapidez no início do tratamento fez com que a taxa de mortalidade pela síndrome da imunodeficiência humana (aids) diminuísse no Brasil, passando de 5,7 a cada 100 mil habitantes em 2014 para 4,8 óbitos dentro da mesma faixa em 2017, segundo o boletim epidemiológico divulgado recentemente pelo Ministério da Saúde. Porém segundo o Ministério da Saúde, São Paulo figura entre os estados com maior número de casos de HIV no Brasil. O agente causador da aids é o vírus da imunodeficiência humana (HIV). Esse vírus é capaz de infectar células e levar o sistema imunológico ao colapso. O HIV faz com que o organismo fique vulnerável a outros agentes infecciosos, chamados de “oportunistas”.

“Apesar de HIV e aids serem comumente relacionados, são duas coisas diferentes. A aids é a síndrome de imunodeficiência desencadeada a partir da infecção pelo HIV.  Hoje em dia com o emprego do tratamento antirretroviral muitos pacientes apesar de possuírem o HIV não chegarão a desenvolver um estado de imunodeficiência”, explica o médico virologista do DB Molecular, Dr. Mario Janini.

Um alerta para os jovens

Entre 2006 e 2015, o número de jovens entre 15 e 19 anos com a doença mais do que triplicou no Brasil, passando de 2,4 a 6,7 casos a cada 100 mil habitantes. Já entre adultos, de 20 a 24 anos, a taxa dobrou de 15,9 para 33,1 casos dentro da mesma faixa. “É um número preocupante, mesmo tendo em vista a quantidade de informações existentes sobre o assunto, deveria haver mais esforços visando a prevenção da infecção viral. Não existe cura para as infecções pelo o HIV e sem tratamento os pacientes evoluem para um estado de imunodeficiência  podendo chegar até mesmo a morte”, alerta o médico.

Exames laboratoriais empregando técnicas de biologia molecular podem ser realizados para identificar o HIV e monitorar a evolução da doença e a resposta ao tratamento. “Possuímos testes capazes de detectar e quantificar o HIV a partir de amostras clínicas. Além disso, podemos realizar a genotipagem viral, que é um exame realizado para a detecção de mutações no genoma do HIV, que conferem resistência aos medicamentos utilizados no tratamento”, comenta o especialista em biologia molecular, Nelson Gaburo, gerente geral do DB Molecular.

Entre os exames oferecidos para o diagnóstico e monitoramento das infecções pelo HIV estão o HIVPC, teste qualitativo utilizado para detectar a presença do HIV, o HIVQT, que é um exame quantitativo que avalia o número de cópias do genoma viral presente no plasma do indivíduo infectado, e o HIVGE, que identifica mutações de resistência contra medicamentos indicados no tratamento. “Por meio de abordagens moleculares, é possível identificar o HIV, quantificar sua carga e definir qual será o tratamento adequado”, completa Gaburo.

Sobre o DB Molecular

Localizado em São Paulo (SP), o laboratório pertence ao grupo Diagnósticos do Brasil, referência no mercado brasileiro por ser o único laboratório exclusivamente de apoio, assim como todas suas unidades de negócios. Especializado em exames nas áreas de infectologia molecular, genética humana, farmacogenética, histocompatibilidade imunogenética, doenças hereditárias e infecciosas, oncogenética, citogenética, medicina preventiva e personalizada, destaca-se no mercado pela inovação e alto índice de satisfação de clientes. Mais informações: https://dbmolecular.com.br/

Confira a ultima edição da Newslab

Seções

Desenvolvido por Izy.Digital

Av. 9 de julho, 3229 – Sl. 412 – Jardim Paulista – São Paulo – SP | Telefone: (11) 3900-2390

Fechar Menu