fbpx

Resultados da pesquisa sobre dieta para cardíacos originam cartilhas do MS

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Univali foi a única universidade catarinense a participar do estudo nacional

Os resultados da pesquisa nacional sobre alimentação cardioprotetora que a Universidade do Vale do Itajaí (Univali) integrou originaram duas cartilhas disponíveis para download aqui. O material orienta tanta a população quanto os profissionais da área da saúde em como realizar ou recomendar uma alimentação que diminua os riscos cardíacos.

A Univali foi a única universidade catarinense a participar do estudo encabeçado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital do Coração (HCor) e pelo Ministério da Saúde, que analisou os efeitos de uma dieta brasileira para pessoas com doenças cardiovasculares. A pesquisa foi aplicada em 40 centros de referência em cardiologia nas cinco regiões do Brasil. Em Santa Catarina, os testes ocorreram na Unidade de Saúde Familiar e Comunitária (USFC) e na Clínica de Nutrição da Univali. Trata-se do maior estudo clínico comparativo realizado em nutrição no Brasil com pacientes cardíacos.

No total, 54 pacientes – com mais de 45 anos e cardiopatas –  foram acompanhados, pelo período de quatro anos, por uma equipe formada por nutricionistas, enfermeiros e médicos. Metade deles seguiu a dieta cardioprotetora e outros 50% alimentaram-se conforme orientações que já são de rotina no sistema de saúde.

Na Univali, integraram a pesquisa as professoras Clarice Maria Specht, do curso de Enfermagem, Cristina Henschel de Matos e Claiza Barreta, ambas do curso de Nutrição.

Guia alimentar

O guia alimentar para a população brasileira preconiza uma alimentação saudável composta por alimentos essencialmente naturais. As cartilhas apontam alimentos benéficos para a saúde do coração e agregam receitas do cotidiano brasileiro, respeitando as peculiaridades culinárias regionais. Antes, a maioria das dietas eram baseadas principalmente na dieta mediterrânea que inclui produtos que não são tipicamente brasileiros. A nova proposta foca nos alimentos nacionais e de fácil acesso.

Nas cartilhas, a alimentação cardioprotetora, também chamada de Dica BR, é simbolizada pela bandeira do Brasil e dividida em grupos alimentares de acordo com as cores da bandeira: verde, amarela e azul. A bandeira do Brasil tem sua maior área representada pela cor verde, seguida pela amarela e pela azul. Assim, o consumo dos grupos alimentares deve seguir a mesma lógica das cores da bandeira.

No grupo verde estão verduras, frutas, leguminosas, leite e iogurte sem gorduras. Já no amarelo constam itens como os pães, cereais, macarrão, tubérculos cozidos, entre outros. O grupo azul reúne alimentos que devem ser consumidos em menor quantidade, como carnes, ovos, queijos brancos e amarelos, e doces caseiros. Há ainda o grupo vermelho, que indica uma lista de produtos que devem ser evitados pelos cardiopatas. Além de dicas brasileiras para cada uma das refeições, as cartilhas destacam outras práticas alimentares saudáveis.

Confira a ultima edição da Newslab

Em 10 anos, SUS gasta quase R$ 3 bilhões apenas com consequências de acidentes de trânsito

Conteúdo: reprodução do Conselho Federal de Medicina  No Brasil, a cada 60 minutos, em média, pelo menos cinco pessoas morrem vítimas de acidente de trânsito.

Leia mais

Com foco na excelência em logística hospitalar, Bomi marca presença na Hospitalar 2019

A Bomi, multinacional italiana conhecida pela excelência em soluções logísticas altamente qualificadas e personalizadas, apresentou na Feira Hospitalar 2019, maior evento da área de saúde

Leia mais

Software desenvolvido pela Siemens Healthineers rastreia de risco fetal: inovações da Hospitalar 2019

Em sua 26ª edição, a HOSPITALAR 2019, um dos principais eventos de negócios e inovações tecnológicas para a área médica, tanto no mercado nacional como

Leia mais

O controle da temperatura e umidade do ambiente hospitalar é crucial: conheça as soluções da Thermomatic

Uma das questões que mais preocupam autoridades dos setores de saúde, com certeza é a infecção hospitalar.  Estima-se que no Brasil esse problema atinja 10%

Leia mais
Seções
Fechar Menu