fbpx

Pesquisa investiga permanência do vírus zika no organismo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Identificar o tempo de permanência do vírus zika no organismo é o objetivo do estudo iniciado no mês de julho pela Fiocruz Pernambuco em parceria com o Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC/UFPE) e a Organização Mundial de Saúde. Para isso estão sendo coletados fluidos (urina, saliva, sêmen, suor, lágrima, secreção vaginal e fezes) de pacientes com zika que dão entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Caxangá e nas unidades de saúde dos bairros da Várzea e da Caxangá, no Recife, e têm o diagnóstico confirmado através de exame molecular (PCR).

Essas pessoas terão acompanhamento médico por um ano, no ambulatório montado no andar térreo do HC. A meta, no estado, é incluir 160 pacientes (80 homens e 80 mulheres) na pesquisa ZikaBRA, que também está sendo realizada no Rio de Janeiro, pelo Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e no Amazonas, pela Fundação de Medicina Tropical, com o total de 480 participantes.

As amostras coletadas são testadas para a presença do vírus zika e quanto às respostas imunológicas dos pacientes em diferentes momentos. “Além de sabermos quanto tempo o vírus fica no organismo, queremos descobrir se ele pode sofrer reativação depois de não ser mais detectado ou se o paciente sofreu uma nova infecção”, explica o pesquisador da Fiocruz Pernambuco, Rafael França, coordenador da parte laboratorial do estudo. Essas informações são importantes para entender os mecanismos de transmissão da doença e gerar recomendações de prevenção. Pesquisas realizadas nos Estados Unidos comprovaram a transmissão da doença por via sexual.

Parceiros sexuais e parentes dos participantes (maiores de 18 anos e que não estejam grávidas) serão convidados a entrar para o estudo uma vez que mantém contato direto com eles. “Existem casos assintomáticos. Pode acontecer dos contactantes terem sido infectados, inclusive pelo contato com suor e lágrima, e não terem sintomas da doença”, explica França. Ainda de acordo com ele, aqueles que durante o acompanhamento apresentarem complicações em decorrência da zika serão encaminhados para atendimento com especialistas. Os resultados do estudo deverão ser conhecidos em 2019.


Fonte: Fiocruz


 

Confira a ultima edição da Newslab

Inteligência artificial à serviço da prevenção: Minsait lança produto que reduz pressão sanguínea

Intitulado HCEPRO, produto integra dados e reduz pressão sanguínea de pacientes com hipertensão A Minsait, empresa Indra com foco em transformação digital, traz ao mercado

Leia mais

“Saúde Digital para todos” será foco da MV na Hospitalar 2019

Principal influenciadora da transformação digital da Saúde no Brasil, empresa líder em software de gestão expõe suas plataformas com novos recursos integrados A Saúde Digital

Leia mais

White Martins, gigante do ramo de gases industriais e engenharia, terá recorde de lançamentos

Produtos e serviços apresentados pela empresa trazem mais qualidade de vida e de atendimento aos pacientes e contribuem para melhoria do desempenho de hospitais e

Leia mais

Philips lança ultrassom portátil que pode ser conectado a qualquer celular/tablet: veja aqui novidades da marca

Para a Philips, o setor de saúde não tem fronteiras. Em um segmento tão completo, rico em inovação, com especialistas e tecnologias de pontas e,

Leia mais
Seções
Fechar Menu