Novo documento da Human Rights refere aos casos de hanseníase no Brasil

Sociedade Brasileira de Hansenologia alerta que Brasil não alcançará duas principais metas propostas na estratégia global da OMS contra a hanseníase até 2020

Documento divulgado nesta quinta-feira, 28, pelo escritório do Alto Comissariado da United Nations Human Rights, em Genebra, Suíça, volta-se para o problema da hanseníase no mundo e denuncia: “As pessoas afetadas pela hanseníase continuam a sofrer discriminação e falta de acesso à assistência médica”. Segundo o documento, “A lepra continua a ser uma doença negligenciada, com o maior número de casos na Índia, no Brasil e na Indonésia”. O alerta chama a atenção para o “Dia Mundial da Hanseníase”, que será em 28 de janeiro.

O assunto também é tema de artigo publicado, na última sexta-feira, 26, por hansenologistas ligados à Sociedade Brasileira de Hansenologia na The Lancet Infectious Diseases, considerada a revista de mais alto impacto entre as publicações científicas da área da infectologia, que questiona: “Os números oficiais da hanseníase no mundo são reais? 530 milhões de pessoas moram em países ‘em desenvolvimento’, que a OMS-Organização Mundial de Saúde apresenta como ‘sem registro’ de casos de hanseníase em 2016”.

Segundo o manifesto da Human Rights, “O fato de que isso ainda está acontecendo em 2018 mostra que há atrasos no diagnóstico e falta de acesso a um tratamento de alta qualidade. As crianças estão entre os que sofrem desnecessariamente”. O organismo divulga análises da relatora especial da ONU, Alice Cruz, nomeada em novembro de 2017 como o primeiro Relatos Especial da ONU na eliminação da discriminação de pessoas afetadas pela lepra e seus familiares.

Este alerta vem sendo feito reiteradamente pela SBH no Brasil e no exterior. O Brasil continua com alto índice de diagnósticos de hanseníase e, segundo a SBH o número real em território nacional pode ser de 3 a 5 vezes maior que os dados oficiais. “Falta diagnóstico, preparo dos profissionais de saúde, estrutura nos serviços de atenção básica à saúde, ensino nas universidades, atenção de autoridades e política estratégica de enfrentamento da doença”, diz o presidente da SBH, Claudio Salgado, da Universidade Federal do Pará, doutor em Medicina pela Universidade de Tóquio.

A SBH chama a atenção para a necessidade de o tema hanseníase voltar ao debate entre educadores, autoridades de várias áreas e, especialmente, governantes.

“Diante da situação, o Brasil não alcançará as duas principais metas propostas na estratégia global da Organização Mundial da Saúde contra a hanseníase até 2020: nenhuma criança diagnosticada com hanseníase e deformidades visíveis, e menos de 1 caso de hanseníase diagnosticado com deformidades visíveis para cada 1 milhão de habitantes. Nosso papel, neste momento, é ampliar os diagnósticos com treinamento, capacitação e supervisão permanentes, dar condições de tratamento digno aos doentes, e conseguir diagnosticar precocemente a hanseníase a fim de evitar sequelas para, só então, almejar o controle da doença no país, o que não se faz em poucos anos”, analisa Salgado.


 

Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu