Internet das Coisas: o futuro da Saúde já começou a ser monitorado | Newslab 146

A Internet das Coisas é um tema obrigatório quando se fala sobre os avanços e as tendências tecnológicas na área da Saúde.  Os números que apontam para o crescimento das aplicações IoT são impressionantes. Já é possível perceber que os principais setores da sociedade estão sendo completamente remodelados com a ajuda da conectividade e das informações em tempo real que a internet traz.

A tendência é que a presença de objetos conectados à internet seja cada vez maior e isso já está  transformando totalmente a forma como interagimos com o mundo à nossa volta. E no campo da Saúde essa “interação” também começou e isso só tende a aumentar. Segundo levantamento do International Data Corporation (IDC), até 2020 o mercado mundial de solução para a Internet das Coisas deve movimentar US$ 7,1 trilhões.

Na área de saúde, especialmente, são muitas as tendências tecnológicas desta natureza voltadas ao setor e que tendem a provocar um impacto significativo na saúde e no bem-estar dos pacientes. Com a evolução tecnológica, o número de gadgets capazes de capturar e ajudar a monitorar sinais de saúde, doenças e características de cada um, individualmente, vem crescendo exponencialmente e surgem diversos dispositivos wearable, que propõem uma integração ainda maior do corpo humano com a tecnologia.

A ideia do próprio paciente ter autonomia em relação a sua saúde, com os chamados Personal Health Recorder (PHR) é outra aposta. O cruzamento de informações provenientes de diversas fontes e tecnologias, que conversam entre si, ajuda a acelerar os diagnósticos, disponibilizando assim aos pacientes as informações mais relevantes de sua saúde.  Por último, a impressão tridimensional promete mudar muito em breve as estruturas dos materiais e equipamentos médicos, assim como reduzir muito os custos. Com essa tecnologia, não apenas os médicos, mas também os pacientes vão sair ganhando, pois a tecnologia permitirá a produção de itens personalizados, adaptados perfeitamente às necessidades fisiológicas de cada paciente.

Em suma, o setor de saúde pode ser (e já está sendo) muito aprimorado com o uso cada vez maior de objetos conectados à grande rede, facilitando ou criando ações de todo tipo. As tendências e inovações chegam à área da Saúde, especialmente no que diz respeito a tecnologias voltadas para o cuidado com o paciente. Não importa a forma, o principal é que todos esses dispositivos ou sensores juntos irão revolucionar a medicina e a vida dos pacientes. Em pouco tempo será possível acessar dados de saúde e todo o histórico de pacientes a qualquer hora, em qualquer lugar, com base em informações vindas de dispositivos conectados. Ou seja, todas as informações de cada paciente (alergias, preferências médicas, doenças crônicas e outros dados relevantes) – estará “guardado” em um mesmo lugar. Assim, as idas aos consultórios poderão ser reduzidas significativamente.

Mas, será que é possível mesmo monitorar tudo isso?  A reposta é simples: claro que sim e cada vez mais. O monitoramento de todos esses sensores pode ocorrer de formas variadas, pois cada situação  requer algo específico.  Eles podem propagar informações tanto por redes cabeadas tradicionais, como por redes wireless 3G e wi-fi e até por redes telefônicas, e em último caso, podem ser empregados métodos menos utilizados como os de radiofrequência em locais de difícil acesso ou sem acesso a internet.

Fevereiro - novembro IoT_saúde_Sensorweb 2É evidente que, em comparação com os países de Primeiro Mundo, a realidade do Brasil ainda é outra e o país ainda engatinha nessas ações. No entanto, merece ser destacado que já contamos com alguns recursos significativos. A cada dia surgem novas empresas no Brasil empenhadas em encurtar essa trajetória e que estão desenvolvendo recursos de monitoramento à distância que podem ajudar a fazer a grande diferença na vida e na saúde de pacientes em todo o país. Caminhar rumo à tecnologia é inevitável.

Douglas Pesavento é CEO da Sensorweb, startup que desenvolve soluções em Internet das Coisas (IoT) para a Saúde e que é responsável pela unidade de conectividade da FANEM


 

Acesse a ultima edição da Newslab

Ultimas Notícias

Perfil Epidemiológico das Infecções Urinárias Diagnosticadas em Pacientes Atendidos no Laboratório Escola da Universidade Potiguar, Natal, RN

Publicado originalmente na edição 119 em 2013 Resumo: Perfil epidemiológico das infecções urinárias diagnosticadas em pacientes atendidos no Laboratório Escola da Universidade Potiguar, Natal, RN

Seções
Fechar Menu