fbpx

Hormônio do crescimento em excesso pode ser sinal de doença rara

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Essencial para o desenvolvimento e funcionamento do corpo, a alta nos níveis de somatotropina na fase adulta pode gerar complicações estéticas e dores

A Hipófise (também conhecida como glândula pituitária) é uma glândula endócrina tão pequena quanto uma ervilha e se localiza na base do crânio, no meio da cabeça e diretamente atrás do nariz. Apesar de seu tamanho, a sua importância para o desenvolvimento humano é enorme: além de controlar a função das glândulas da tireoide e adrenal, a hipófise também produz somatotropina, conhecido como o hormônio do crescimento.

A somatotropina é secretada durante toda a vida e particularmente durante o sono. Enquanto nas crianças seu principal papel é o crescimento esquelético, em adultos o hormônio do crescimento está envolvido no metabolismo dos músculos, ossos e tecido adiposo. Porém, quando esse é produzido de forma descontrolada e liberado em grandes quantidades, problemas como gigantismo e acromegalia, mesmo raros, podem ocorrer.

Como regra geral, o gigantismo ocorre em crianças e adolescentes, pois os ossos ainda estão crescendo e são suscetíveis aos efeitos do hormônio do crescimento, e a acromegalia atinge adultos entre os 30 e 50 anos e conta com sinais e sintomas que vão desde dores articulares e suor excessivo, a alterações nas feições faciais, pele, dentes e voz.

“A acromegalia pode afetar as pessoas de formas diferentes. Ao longo do tempo, as mudanças físicas vão ficando mais evidentes, como por exemplo: um anel que não serve mais, sapatos mais apertados, alteração na aparência física… Mesmo assim, mudanças drásticas só são percebidas quando o quadro já está avançado, pois outros sintomas são facilmente tidos como parte normal do envelhecimento”, explica o Dr. André Mello, Gerente Médico da Endocrinologia e Oncologia da Ipsen.

Os sintomas comuns da acromegalia são dores nas juntas, dores de cabeça, cansaço, pressão alta, problemas no coração e mau-humor exacerbado. Esse quadro, principalmente quando visto em mulheres a partir dos 40 anos, ainda podem ser encarados como o começo da menopausa.

“A síndrome do túnel do carpo, que é caracterizado por dormência ou formigamento na mão e no braço devido à compressão de um nervo no punho, também é comum em pacientes com acromegalia. Ao procurarem pela ajuda de um profissional para tratar as dores, por exemplo, o médico pode acabar passando uma medicação apenas para amenizá-la. A doença em si, muitas vezes, só vai ser diagnosticada quando a pessoa nota a mudança física, forte característica de um estágio já avançado”, reforça.

Causas

De acordo com a World Alliance of Pituitary Organizations (Aliança Mundial de Organizações Pituitárias), um tumor benigno não-canceroso na hipófise chamado adenoma é a principal causa de acromegalia, ocorrendo em 98% dos casos. Esse tumor produz hormônio do crescimento, o que leva a uma alta nos níveis de somatotropina no sangue. Por sua vez, a alta desse nível faz com que o fígado produza o fator de crescimento semelhante à insulina tipo 1 (IGF-1).

“Muito IGF-1 no sangue leva a um aumento anormal de ossos e tecidos, podendo causar também uma resistência à insulina, levando ao diabetes. Embora estudos genéticos estejam em andamento, a maioria dos casos de acromegalia não são herdados e nós ainda não sabemos exatamente o que desencadeia um adenoma”, complementa.

Diagnóstico e tratamento

Como mencionado, a acromegalia é uma doença rara com alguns sintomas que são comuns e, por essa razão, o diagnóstico correto pode levar um tempo para acontecer. Mesmo assim, é possível que o primeiro profissional a desconfiar de um quadro envolvendo o hormônio do crescimento seja um clínico geral, quando procurado para ajudar no tratamento das dores de cabeça e nas juntas, ou até mesmo um dentista que pode apontar o aumento nos espaços entre os dentes ou da língua.

De qualquer forma, ao desconfiar de um quadro mais sério, é possível que o atendimento secundário seja feito por um endocrinologista, o mesmo profissional que será o ponto de contato central caso o diagnóstico de acromegalia seja concluído.

“Uma vez diagnosticado, os tratamentos podem variar entre cirurgia para remoção do adenoma de hipófise, medicamentos capazes de inibir a produção excessiva de hormônios no organismo, aliviando os principais sintomas da doença. Além disso, há também a possibilidade de terapia com radiação ou uma combinação entre os três citados”, conta o médico.

Após o diagnóstico de uma doença, seja ela qual for, o apoio familiar e dos amigos se torna importante para motivar e ajudar seu ente querido que está passando por um processo de descobertas que podem gerar diversas emoções. O primeiro passo, entretanto, tem que ser tomado pelo paciente ao falar sobre sua condição de forma que se sinta confortável. No site Vivendo com Acromegalia é possível acessar informações, aprender a falar sobre seus sentimentos, medos e inseguranças, além de uma gama diversificada de depoimentos de outros pacientes na mesma situação: https://acromegalia.vivendocom.com.br/.

Confira a ultima edição da Newslab

Inteligência artificial à serviço da prevenção: Minsait lança produto que reduz pressão sanguínea

Intitulado HCEPRO, produto integra dados e reduz pressão sanguínea de pacientes com hipertensão A Minsait, empresa Indra com foco em transformação digital, traz ao mercado

Leia mais

“Saúde Digital para todos” será foco da MV na Hospitalar 2019

Principal influenciadora da transformação digital da Saúde no Brasil, empresa líder em software de gestão expõe suas plataformas com novos recursos integrados A Saúde Digital

Leia mais

White Martins, gigante do ramo de gases industriais e engenharia, terá recorde de lançamentos

Produtos e serviços apresentados pela empresa trazem mais qualidade de vida e de atendimento aos pacientes e contribuem para melhoria do desempenho de hospitais e

Leia mais

Philips lança ultrassom portátil que pode ser conectado a qualquer celular/tablet: veja aqui novidades da marca

Para a Philips, o setor de saúde não tem fronteiras. Em um segmento tão completo, rico em inovação, com especialistas e tecnologias de pontas e,

Leia mais
Seções
Fechar Menu