fbpx

Flexibilização do jejum apresenta vantagens para pacientes

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Com as novas diretrizes para avaliação do perfil lipídico, no início deste ano, os produtos da Labtest passaram a conter em suas instruções de uso, novos valores de referência

Após anos de discussões a respeito da necessidade do jejum para realização de exames laboratoriais, a Federação Europeia de Química Clínica e Medicina Laboratorial e a Sociedade Europeia de Aterosclerose entraram em um consenso a respeito do assunto. Um estudo divulgado em abril de 2016 mostrou que, habitualmente, não há necessidade do jejum na medição do perfil lipídico de um paciente.

Em dezembro daquele ano, a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica (SBPC), o Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC/DA), a Sociedade Brasileira de Análises Clínicas (SBAC), a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) divulgaram o Consenso Brasileiro para a Normatização da Determinação Laboratorial do Perfil Lipídico. O documento abordou a flexibilização do jejum para avaliação do perfil lipídico, criando novas diretrizes.

Até o consenso, os exames para medir o perfil lipídico (colesterol total e suas frações, como os chamados colesterol bom e ruim, e triglicérides) eram realizados pelos laboratórios após 12 horas de jejum do paciente. A partir do documento de normatização, foram definidos novos valores de cada parâmetro para a interpretação médica como consequência da exclusão de jejum. Isso porque, após anos de estudos e discussões, houve a constatação de que, com os avanços de metodologias diagnósticas, o consumo de alimentos antes da realização desses exames não causa interferências significativas na análise do perfil lipídico.

Segundo Ronan Pereira, gerente de pós-venda da Labtest, a realização de exames sem o jejum altera mais a maneira de interpretar o resultado do que os valores de referência. No colesterol total e no colesterol HDL (comumente chamado de bom), temos uma alteração pequena no valor de referência para análise. Mas no colesterol LDL (colesterol ruim), a interpretação é feita agora a partir de valores de risco para o paciente.

Vantagens e exceções

A modificação da exigência do jejum nos exames de perfil lipídico apresenta benefícios tanto para o paciente quanto para o laboratório. “Ficar em jejum é muitas vezes desconfortável. Com essa alteração, a pessoa pode fazer o exame a qualquer momento do dia, o que dá comodidade a ela. Também é algo positivo para os laboratórios de análises clínicas. A maioria das coletas é realizada na parte da manhã, então, é necessária concentrar mão de obra nesse período de congestionamento. Com a mudança, o fluxo de atendimento é otimizado, e a mão de obra pode ser redistribuída ao longo do dia. Isso acaba dando ao paciente mais opções de horários disponíveis para a coleta”, explica o gerente.

Apesar das vantagens da alteração, há casos em que o jejum é exigido, mesmo para o perfil lipídico. Segundo Pereira, quando o resultado de triglicérides obtido no estado pós-prandial é >440 mg/dL em algumas situações, será recomendada nova avaliação após jejum de 12 horas. Também deve ser observada a necessidade de medição de outros testes incluídos no pedido devido a interferência da lipemia, podendo alterar o resultado. As taxas altas de triglicérides são comuns em pacientes que possuem uma alimentação muito rica em gorduras, têm o hábito de ingerir grandes doses de bebidas alcoólicas constantemente ou fazem uso de algumas drogas terapêuticas. Nesses casos, um novo exame pode ser requerido ao paciente.

Produtos adaptados

Com a publicação do “Consenso Brasileiro para a Normatização da Determinação Laboratorial do Perfil Lipídico”, a Labtest atualizou as instruções de uso de seus produtos com os novos valores de referência para cada parâmetro.

Segundo Pereira, a modificação foi feita gradativamente. “Apesar de ser uma discussão antiga, a publicação aconteceu somente em 2016. Mas ainda não havia uma recomendação formal. Esperamos as instituições brasileiras de referência publicarem sobre o assunto para realizarmos as mudanças em nossas instruções de uso”, conta.

O gerente de pós-venda explica que não ocorreram alterações técnicas nos produtos. De acordo com Pereira, a Labtest sempre desenvolveu produtos, buscando ao máximo, reduzir as interferências no resultado. “O caminho, portanto, foi inverso. A Labtest não teve que se adaptar, pois já consideramos as possibilidades de interferências ao desenvolvermos um produto. A disponibilidade de produtos com tecnologia de alta performance foi, inclusive, a contribuição dos fabricantes de reagentes no estudo que resultou na dispensa da necessidade de jejum, para os exames de colesterol total e suas frações e triglicérides”, finaliza

Confira a ultima edição da Newslab

Em 10 anos, SUS gasta quase R$ 3 bilhões apenas com consequências de acidentes de trânsito

Conteúdo: reprodução do Conselho Federal de Medicina  No Brasil, a cada 60 minutos, em média, pelo menos cinco pessoas morrem vítimas de acidente de trânsito.

Leia mais

Com foco na excelência em logística hospitalar, Bomi marca presença na Hospitalar 2019

A Bomi, multinacional italiana conhecida pela excelência em soluções logísticas altamente qualificadas e personalizadas, apresentou na Feira Hospitalar 2019, maior evento da área de saúde

Leia mais

Software desenvolvido pela Siemens Healthineers rastreia de risco fetal: inovações da Hospitalar 2019

Em sua 26ª edição, a HOSPITALAR 2019, um dos principais eventos de negócios e inovações tecnológicas para a área médica, tanto no mercado nacional como

Leia mais

O controle da temperatura e umidade do ambiente hospitalar é crucial: conheça as soluções da Thermomatic

Uma das questões que mais preocupam autoridades dos setores de saúde, com certeza é a infecção hospitalar.  Estima-se que no Brasil esse problema atinja 10%

Leia mais
Seções
Fechar Menu