fbpx

Diagnóstico inédito a partir do teste do pezinho é feito pelo laboratório DLE

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Novidade investiga Perfil Bioquímico para quatro Doenças Lisossômicas, consideradas raras

O DLE – Diagnósticos Laboratoriais Especializados, do Grupo Pardini, é o primeiro laboratório a introduzir no Brasil uma nova investigação de quatro doenças genéticas lisossômicas, a partir do Teste do Pezinho: Doença de Gaucher, Doença de Pompe, Doença de Fabry e a Mucopolissacaridose Tipo I (MPS I).

Esta investigação emprega a tecnologia de espectrometria de massas em tandem já amplamente utilizada nos testes de triagem neonatal (Teste do Pezinho) do laboratório DLE. A novidade já está disponível em mais de 5.700 laboratórios conveniados ao Grupo Pardini no país e também nas unidades próprias em Minas Gerais, Goiás, São Paulo e Rio de Janeiro.

Estes novos testes possibilitam o diagnóstico das doenças em tempo hábil de iniciar os procedimentos terapêuticos necessários. Para o fundador e atual diretor-geral do DLE, o médico Armando Fonseca, essa evolução na medicina diagnóstica poderá melhorar a qualidade de vida dos bebês que tiverem alguma destas alterações genéticas.

“Iniciar o tratamento, precocemente, a ponto de mudar a história natural destas doenças e oferecer melhor qualidade de vida ao paciente e sua família é o objetivo deste novo teste. Como estas doenças Lisossômicas são assintomáticas no período neonatal, na maioria das vezes não são investigadas, a não ser que haja um irmão já diagnosticado. A triagem neonatal para este grupo de doenças metabólicas é uma evolução na medicina, pois a investigação pode ser realizada neste estágio da vida”, alerta o médico.

Ele explica que essas quatro doenças citadas acima, consideradas raras, são distúrbios metabólicos hereditários causados por defeitos nas funções das enzimas presentes nos lisossomos. Mas, apesar de serem raras, a fisiopatologia é bem conhecida, ou seja, estudos mostram como elas afetam o corpo humano e, principalmente, qual o modo mais eficaz de lidar com elas.

“Nos bebês que têm essas alterações nas enzimas, traduzida pela deficiência ou ausência das mesmas, é possível fazer o tratamento com reposição enzimática ou até mesmo indicar um transplante de medula óssea, no caso da MPS tipo I”, explica o Dr. Armando Fonseca.

Incidência

O Ministério da Saúde estima que existam de 6 mil a 8 mil tipos de doenças raras e 75% delas afetam crianças, segundo a Interfarma (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa). Ainda de acordo com a Interfarma, no Brasil há cerca de 13 milhões de pessoas com essas doenças raras, sendo que 30% morrem antes dos 5 anos de idade.

Em estudo publicado em fevereiro de 2018, chamado “Doenças Raras: A urgência do acesso à saúde”, a Interfarma indica que 80% dessas doenças têm origem genética. Por isso, é fundamental a intensificação e massificação do diagnóstico precoce através de biomarcadores e análises do DNA, respectivamente exames de bioquímica genética e genética molecular, já empregados nos testes mais atuais de triagem neonatal – como os realizados pelo DLE –, para que esses bebês possam receber a terapia adequada o quanto antes.

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo identifica novas funções de molécula envolvida no melanoma

Novos testes em animais e em células de melanoma em cultura mostraram que uma molécula conhecida como RMEL3, presente na maioria dos casos desse tipo

Leia mais

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais
Seções
Fechar Menu