fbpx

Clínicas não precisam de registro na Anvisa

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

O Conselho Federal de Medicina (CFM) alterou a resolução que trata da aplicação de vacinas antialérgicas, esclarecendo que elas não podem ser confundidas com as vacinas anti-infecciosas. “Os locais para a realização dos testes alergológicos, assim como para a diluição de extratos alergênicos e aplicação da imunoterapia devem atender todas as boas condições de higiene, dispor de medicamentos como anti-histamínimos e cumprir requisitos de segurança como desfibrilador externo, mas não precisarão ser montadas estruturas laboratoriais farmacêuticas, nem de registro na Anvisa”, explica o conselheiro federal Aldemir Soares, relator da Resolução CFM nº 2.215/18.

“A realização de testes alérgicos e ‘vacinas’ de alérgenos não caracterizam manipulação de produtos farmacêuticos ou alteração imunoquímica de produto farmacêutico e não devem ser tratados como tais pelas agências fiscalizadoras”, enfatiza Soares. A Resolução nº 2.215/18, publicada no Diário Oficial da União dessa segunda-feira (3), revogou a Resolução CFM nº 1.794/06 e manteve como ato privativo do médico a indicação, orientação, supervisão e interpretação de testes cutâneos com alérgenos, bem como a prescrição, o planejamento e a supervisão do esquema de aplicação da imunoterapia alérgeno-específica subcutânea ou sublingual.

O anexo da resolução anterior estabelecia os critérios mínimos de funcionamento dessas clínicas. Já a Resolução nº 2.215/18 remete para a norma do CFM que, entre outros pontos, estabelece as regras para funcionamento e fiscalização de consultórios (Resolução CFM nº 2.153/16). Os testes e vacinas alérgenicos devem ser realizados em consultórios dos grupos 2 e 3, que, nos locais dos testes de puntura e de contato, devem possuir geladeira com termômetro para acondicionamento exclusivo de testes e vacinas, além de possuírem paredes com material impermeabilizante, piso frio e pia. Também devem dispor de medicamentos como adrenalina, anti-histamínicos, adrenérgico e glicorticoide.

Os consultórios do grupo 3, que também realizam testes com medicamentos e alimentos, além dos itens exigidos anteriormente, também devem possuir equipamentos como cânulas orofaríngeas, desfibrilador externo automático, medicamentos para atendimento de parada cardiorrespiratória, fonte de oxigênio, oxímetro de pulso e ventilador manual do tipo balão autoinflável, entre outros itens. “Nosso objetivo é garantir a segurança do ato médico e do paciente, daí a necessidade de tantos cuidados”, afirma Soares.

Acesse aqui a Resolução CFM nº 2.215/18.

Confira a ultima edição da Newslab

Vacinação contra malária irá iniciar para crianças em 3 países da África, anuncia OMS

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em comunicado divulgado hoje (23), terá inicio a implementação da primeira vacina contra a malária. Causada por protozoários

Leia mais

EUA registram 71 novos casos de sarampo e enfrentam novo surto da doença

O sarampo, doença infecciosa transmitida por vírus da família Paramyxoviridae e do gênero Morbillivirus, é uma doença altamente contagiosa que deixou muitos mortos ao longo da história. A vacina

Leia mais

Obesidade em foco na ciência: Unicamp cria primeiro laboratório de imunometabolismo do país

Recentemente, diante do fenômeno global de aumento da obesidade, surgiu a necessidade de integrar dois campos de conhecimento que poderiam parecer distintos: imunologia e metabolismo.

Leia mais

Menina britânica que realizou cirurgia auditiva pioneira passa a ouvir e aprende a falar

Leia Armitage, uma menina britânica de 7 anos, nasceu com um tipo raro de surdez profunda. Uma cirurgia pioneira feita por médicos ingleses foi capaz

Leia mais
Seções
Fechar Menu