fbpx

Brasil conta com mais 35 hansenologistas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Sociedade Brasileira de Hansenologia estima que o país tenha menos de 200 hansenologistas atuantes

A Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) e a Associação Médica Brasileira (AMB) acabam de certificar 35 médicos para atuação na área de Hansenologia. O Brasil conta, atualmente, com cerca de 200 hansenologistas. O exame para obtenção do certificado foi realizado dia 10 de novembro de 2017, em Belém do Pará, onde aconteceu o 14° Congresso Brasileiro de Hansenologia, reunindo especialistas brasileiros e estrangeiros para debater o tema.

O número de hansenologistas ainda é insuficiente para reverter o atual cenário brasileiro em relação à hanseníase: O Brasil é o segundo país com mais casos da doença, atrás da Índia. Muitos ainda não chegaram às unidades de saúde e desconhecem a doença. “Porém, este é o maior contingente de profissionais interessados em atuar em Hansenologia no histórico de exames realizados e, por isso, motivo de comemoração por parte da comunidade médica, pois hanseníase é uma doença de difícil diagnóstico e é fundamental contarmos com profissionais preparados”, explica o presidente da SBH, Marco Andrey Cipriani Frade.

O exame é realizado a cada três anos, assim como o Congresso Brasileiro de Hansenologia. Porém, em comemoração aos 70 anos da SBH, a 15ª edição do congresso será realizada em 2018, em Palmas (TO), onde também acontecerá novo exame para certificação de médicos hansenologistas.

Podem pleitear a certificação como hansenologista, médicos das seguintes áreas e que tenham título de especialista pelas respectivas sociedades: neurologia, dermatologia, medicina preventiva social e administração em saúde, medicina da família e comunidade, clínica médica ou infectologia.

A SBH promove gratuitamente capacitação e treinamentos teóricos e práticos para profissionais de saúde – médicos, dentistas, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, assistentes sociais e agentes comunitários de saúde – em todo o Brasil, especialmente em áreas de alta endemicidade. Segundo o presidente da entidade, “é preciso que o assunto volte a ser tratados nas salas de aula e que as universidades também preparem profissionais de saúde para diagnosticarem e tratarem o doente de hanseníase”. Ele alerta que um dos grandes trabalhos dos novos hansenologistas será também educar a população contra o preconceito. “Hanseníase tem tratamento gratuito em todo o país e cura, mas o preconceito tem dificultado a luta contra a doença. É possível erradicar a hanseníase, mas é necessário falar sobre ela, pois só o conceito destrói o preconceito”, ressalta.


 

Confira a ultima edição da Newslab

Grupo de pesquisadores valida método que pode revolucionar o diagnóstico de Alzheimer

(Foto: Roche) Grupo de pesquisadores validaram uma metodologia que pode revolucionar o diagnóstico da doença de Alzheimer: exame diagnóstico criado pelos cientistas é capaz de

Leia mais

Na Feira Hospitalar 2019, Healthcare Alliance levará inovador biosensor de sinais vitais

A tecnologia proveniente de Israel será vendida com exclusividade no Brasil pela plataforma que reúne as melhores empresas especializadas em produtos e serviços para a

Leia mais

Ultrassom da Samsung permite estudo do cérebro do feto durante a gravidez

Navegação neurossonográfica avançada auxilia na avaliação de novas regiões do cérebro fetal de forma semiautomática Com o objetivo de ampliar a capacidade clínica de diagnóstico

Leia mais

Inteligência artificial à serviço da prevenção: Minsait lança produto que reduz pressão sanguínea

Intitulado HCEPRO, produto integra dados e reduz pressão sanguínea de pacientes com hipertensão A Minsait, empresa Indra com foco em transformação digital, traz ao mercado

Leia mais
Seções
Fechar Menu