fbpx

Brasil conta com mais 35 hansenologistas

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Sociedade Brasileira de Hansenologia estima que o país tenha menos de 200 hansenologistas atuantes

A Sociedade Brasileira de Hansenologia (SBH) e a Associação Médica Brasileira (AMB) acabam de certificar 35 médicos para atuação na área de Hansenologia. O Brasil conta, atualmente, com cerca de 200 hansenologistas. O exame para obtenção do certificado foi realizado dia 10 de novembro de 2017, em Belém do Pará, onde aconteceu o 14° Congresso Brasileiro de Hansenologia, reunindo especialistas brasileiros e estrangeiros para debater o tema.

O número de hansenologistas ainda é insuficiente para reverter o atual cenário brasileiro em relação à hanseníase: O Brasil é o segundo país com mais casos da doença, atrás da Índia. Muitos ainda não chegaram às unidades de saúde e desconhecem a doença. “Porém, este é o maior contingente de profissionais interessados em atuar em Hansenologia no histórico de exames realizados e, por isso, motivo de comemoração por parte da comunidade médica, pois hanseníase é uma doença de difícil diagnóstico e é fundamental contarmos com profissionais preparados”, explica o presidente da SBH, Marco Andrey Cipriani Frade.

O exame é realizado a cada três anos, assim como o Congresso Brasileiro de Hansenologia. Porém, em comemoração aos 70 anos da SBH, a 15ª edição do congresso será realizada em 2018, em Palmas (TO), onde também acontecerá novo exame para certificação de médicos hansenologistas.

Podem pleitear a certificação como hansenologista, médicos das seguintes áreas e que tenham título de especialista pelas respectivas sociedades: neurologia, dermatologia, medicina preventiva social e administração em saúde, medicina da família e comunidade, clínica médica ou infectologia.

A SBH promove gratuitamente capacitação e treinamentos teóricos e práticos para profissionais de saúde – médicos, dentistas, enfermeiros, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, assistentes sociais e agentes comunitários de saúde – em todo o Brasil, especialmente em áreas de alta endemicidade. Segundo o presidente da entidade, “é preciso que o assunto volte a ser tratados nas salas de aula e que as universidades também preparem profissionais de saúde para diagnosticarem e tratarem o doente de hanseníase”. Ele alerta que um dos grandes trabalhos dos novos hansenologistas será também educar a população contra o preconceito. “Hanseníase tem tratamento gratuito em todo o país e cura, mas o preconceito tem dificultado a luta contra a doença. É possível erradicar a hanseníase, mas é necessário falar sobre ela, pois só o conceito destrói o preconceito”, ressalta.


 

Confira a ultima edição da Newslab

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais

As 7 principais dúvidas sobre a Meningite Meningocócica

A meningite meningocócica é uma doença infecciosa grave que pode matar. A doença esteve em pauta recentemente e isso fez com que houvesse um aumento

Leia mais
Seções
Fechar Menu