fbpx

Saiba tudo sobre endoscopia da coluna

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Especialista esclarece dúvidas sobre técnica para tratamento de hérnias de disco

Cirurgias na coluna costumam gerar muita preocupação em pacientes por serem consideradas agressivas e dolorosas, além da recuperação que demanda muitos cuidados. Porém, no Brasil já existe uma técnica mais moderna e minimamente invasiva para tratar problemas como a hérnia de disco chamada: endoscopia da coluna.

O cirurgião de coluna e diretor clínico da SO.U Ipiranga, Dr. Bruno César Aprile, explica que a endoscopia da coluna é um método cirúrgico inovador porque tem a mesma eficácia das cirurgias tradicionais, porém é realizada em pouco tempo e com rápida recuperação do paciente.

O profissional responde abaixo as principais perguntas sobre o tratamento:

Como é realizada a endoscopia da coluna?

A técnica consiste na dilatação da musculatura para inserir um tubo de dois centímetros com uma câmera de alta definição na ponta, para otimizar a visualização da parte a ser corrigida. “Durante o procedimento é feito apenas um corte de um centímetro para inserção do tubo, diferente da cirurgia tradicional em que é feita um corte até 8 vezes maior”, explica.

Em quanto tempo é feito o procedimento?

O profissional pontua que o tempo médio para realizar a cirurgia é de 1 hora, sendo que normalmente o paciente tem alta hospitalar em menos de 24 horas. “A maioria dos casos também não exige a internação na UTI no pós-operatório. Enquanto na cirurgia convencional o paciente chega a ficar quatro dias internado”, informa.

A endoscopia da coluna corrige quais doenças?

Além de hérnias de disco, a endoscopia pode ser recomenda para tratar outros problemas de compressão de nervos, atuando para o alívio imediato dos incômodos causados pela doença.

Quais são outras vantagens para os pacientes?

Por não utilizar anestesia geral, apenas sedação e anestesia local, a endoscopia da coluna é mais segura para pacientes idosos, hipertensos, diabéticos ou com doenças cardíacas e pulmonares. A recuperação é em média de quatro dias e se respeitadas as recomendações médicas, o paciente já estará apto para retornar às atividades rotineiras e até o mesmo ao trabalho dentro deste prazo. “A dor pós-operatória também é muito menor do que as cirurgias convencionais. Após realizada a endoscopia da coluna geralmente a pessoa saí andando normalmente do hospital”, conclui.

Confira a ultima edição da Newslab

Estudo identifica novas funções de molécula envolvida no melanoma

Novos testes em animais e em células de melanoma em cultura mostraram que uma molécula conhecida como RMEL3, presente na maioria dos casos desse tipo

Leia mais

Mestrado em sinalização celular na Unifesp com bolsa da FAPESP

Uma Bolsa de Mestrado da FAPESP está disponível no âmbito do projeto “Vias de sinalização de dano no DNA: mecanismos de regulação e integração com

Leia mais

Doutorado direto em metabolismo e bioenergética com bolsa da FAPESP

O Projeto Temático “Função e disfunção mitocondrial: implicações para o envelhecimento e doenças associadas”, coordenado pelo professor Aníbal Eugênio Vercesi, da Faculdade de Ciências Médicas da

Leia mais

Estudo mostra que tratamento para câncer colorretal metastático com mutação BRAF resulta em sobrevida global média de 15,3 meses

Os resultados foram anunciados pela Pierre Fabre e Array BioPharma e observados no safety lead in do estudo fase 3 BEACON com a combinação de encorafenibe, binimetinibe

Leia mais
Seções
Fechar Menu