fbpx

Investimento em tecnologia de ponta é mais efetivo no controle de arboviroses no país

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Medidas paliativas não são suficientes para a erradicação por completo do Aedes aegypti no meio urbano; solução soma recursos estratégicos para o monitoramento de vetores e para a gestão da saúde pública

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a dengue é uma doença de grande impacto epidemiológico, apresentando-se como uma problemática crescente para a saúde pública. Segundo dados do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, da Universidade de São Paulo (USP), nos últimos dois anos, o Brasil apresenta baixo indicador de casos de contaminação por dengue. Entretanto, a previsão para 2019 é de aumento nos números de casos, principalmente pela carência de medidas eficazes de combate ao mosquito Aedes aegypti.

“A dengue é endêmica no Brasil e em muitos municípios a doença passa por ciclos epidêmicos. Mas a situação da dengue ainda é complicada, pois não é toda a população que está imune aos quatro tipos de vírus da dengue (sorotipo 1, 2, 3 e 4) ”, afirma Ana Venturatto, analista sênior de Relacionamento com o Cliente da Ecovec, empresa responsável pelo desenvolvimento de soluções tecnológicas inovadoras de combate ao mosquito e controle de epidemias.

Com base nas informações do último Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), em outubro de 2018, cerca de 504 munícipios brasileiros apresentaram alto índice de infestação do mosquito, com possível risco de epidemias. Foram 5.538 munícipios analisados, isto é, 96,2% de todas as cidades do país. Além das cidades em risco de surtos epidémicos, o relatório apresenta outras 1.881 cidades que, atualmente, encontram-se em situação de alerta.

Cidades em situação de alerta e com risco de infestação

O último boletim publicado pelo Ministério da Saúde apresenta índices que indicam a real situação de cidades que podem ou não ter casos de proliferação do mosquito Aedes aegypti. Conforme os dados, as cidades de Manaus (AM), Recife (PE), Campo Grande (MS) e Juazeiro do Norte (CE) apresentam situação de alerta. O levantamento aponta também cidades com risco de epidemia pelo mosquito, entre ela, Palmas (TO), Boa Vista (RR) e Manhuaçu (MG).

O resultado indica a necessidade de investimentos em ações de combate ao mosquito, com o objetivo de reduzir casos de contaminação e óbitos por arboviroses. Em consonância com o plano de Estratégia Global para a prevenção e controle da dengue, 2012-2020, proposto pela OMS, as medidas de combate ao Aedes incluem vigilância efetiva de casos de contaminação, monitoramento do impacto de comportamentos sociais e rastreamento de populações de mosquitos em áreas de risco. O objetivo primordial da OMS é reduzir a carga da doença e o número de óbitos nas áreas de impacto.

“A prevenção é o melhor caminho. Reeducar a população e investir na educação em saúde são ações essenciais. Além disso, é necessário que os setores de vigilância em saúde sigam com a sua programação das metodologias do PNCD, como a visita casa a casa, LIRAa e o combate mecânico, biológico e/ou químico (esse em situações) ”, explica Ana Venturatto.

Inovação e tecnologia no combate ao Aedes aegypti

O ciclo de vida do mosquito é muito rápido, o que dificulta a erradicação por completo do Aedes aegypti no meio urbano. Dessa forma, é fundamental o desenvolvimento de ações de combate somadas a uma participação social efetiva, como o monitoramento por meio de armadilhas (mosquitrap, ovitrampa, larvitrampa etc). Assim, é possível averiguar se a efetividade das ações de prevenção e combate foram, de fato, efetivas.

“É necessário investir em ações preventivas a longo prazo. Os usos de químicos (larvicidas, fumacê) são medidas paliativas, ou seja, funcionam apenas para reduzir a população de mosquitos adultos naquele momento, não resolvendo a causa (disponibilidade de criadouros para mosquitos). É importante pensar em formas de prevenção que não sejam prejudiciais ao meio ambiente e à saúde da população”, complementa.

Uma iniciativa do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com a Ecovec soma tecnologia e ações preventivas para o combate à proliferação do mosquito. O MI-Aedes, agora em sua versão 2.0, apresenta produtos e serviços aplicados ao monitoramento e controle de vetores do mosquito Aedes. A solução permite o diagnóstico da circulação viral e de possíveis casos humanos, em tempo real. “O MI permite análises mais profundas sobre os mosquitos capturados e sobre as arboviroses. Atualmente, já é possível visualizar mapas sobre a circulação dos mosquitos Aedes albopictus e Culex spp., permitindo a identificação imediata de áreas infestadas”, afirma Lucas Zanandrez, analista pleno de Relacionamento com o Cliente da Ecovec.

Segundo Zanandrez, a tecnologia permite também a identificação de zonas de circulação do vírus em humanos, a análise de dados coletados e a identificação de possíveis “hotspots”, locais com infestações recorrentes. “Além de gerar economias nos locais onde há o MI Aedes (a plataforma tem o custo benefício de R$6 a cada R$1 investido), a solução permite identificar pontos de maior infestação, dessa forma, a tomada de decisão é mais eficaz e pode ser feita antes que esses focos se tornem criadores de mosquitos”, completa.

Confira a ultima edição da Newslab

Edição genética pode ser a esperança de cura para portadores de Beta talassemia

A beta talassemia um tipo de hemoglobinopatia, sendo uma doença genética monogênica, ou seja, causada pela mutação em único gene. Sua causa reside na mutação

Leia mais

Big data e Machine Learning: a saúde do futuro de mãos dadas com a ciência da computação

Você sabe o que é Big Data? Uma breve introdução à um tema de relevância cada dia maior para o futuro das ciências e do

Leia mais

Recondicionamento de produtos para saúde usados – desafios para uma nova regulação do tema pela ANVISA

Por Patrícia Fukuma¹  Há mais de uma década, o recondicionamento e comercialização de produtos para saúde usados   vem sendo objeto de discussão entre ANVISA e

Leia mais

Conheça o novo portal de compras da A Bunzl Saúde

A Bunzl Saúde, uma divisão do Grupo Bunzl, lançou em janeiro o seu mais novo Portal de Compras. A proposta é oferecer aos clientes uma melhor

Leia mais
Seções
Fechar Menu