fbpx

Hoje em dia todo mundo tem HPV?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Por Renata Lamego*

HPV é a sigla em inglês para papilomavírus humano. Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, sendo que cerca de 40 deles podem infectar o trato ano-genital.

A transmissão do vírus se dá por contato direto com a mucosa infectada. A principal forma é pela via sexual, que inclui contato oral-genital, genital-genital ou mesmo manual-genital. Assim sendo, o contágio com o HPV pode ocorrer na ausência de penetração e MESMO COM USO DE CAMISINHA. Não está comprovada a possibilidade de contaminação por meio de objetos, do uso de vaso sanitário e piscina, ou pelo compartilhamento de toalhas e roupas íntimas.

A maioria das infecções por HPV é assintomática. Tanto o homem quanto a mulher podem estar infectados pelo vírus sem apresentar sintomas. Habitualmente as infecções pelo HPV se apresentam como lesões microscópicas, por isso a importância da realização de exames ginecológicos anuais. As lesões não visíveis a olho nu podem ser diagnosticadas por meio de exames laboratoriais e exames de imagem.

A infecção pelo HPV é muito frequente, estima-se que atinja mais de 80% da população ativa sexualmente! Mas a boa notícia é que a infecção costuma ser transitória, e regride espontaneamente na maioria das vezes, não necessitando nenhum tratamento. Quando a infecção persiste, pode ocorrer o desenvolvimento de lesões precursoras que, se não forem corretamente tratadas, podem progredir para o câncer.

Fatores ligados à imunidade, à genética e ao comportamento sexual parecem influenciar a regressão ou a persistência da infecção pelo HPV. Desta forma, o tabagismo, o início precoce da vida sexual, o número elevado de parceiros sexuais e de gestações, o uso de pílula anticoncepcional e a imunossupressão são considerados fatores de risco para o desenvolvimento do câncer do colo do útero. A idade também interfere, sendo que a maioria das infecções por HPV em mulheres com menos de 30 anos regride espontaneamente.


Renata Bonaccorso Lamego é médica formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). Fez Residência Médica em Ginecologia e Obstetrícia na Santa Casa de São Paulo, onde obteve os títulos de especialista em Ginecologia e Obstetrícia e em Medicina Fetal. É também especialista em Patologia do Trato Genital Inferior.

Confira a ultima edição da Newslab

Evento internacional incentiva a inovação e promove negócios em Ciências da Vida na América Latina

“Inovação & Partnering para Alavancar a Bioeconomia na América Latina” é o tema 5º edição da BIO Latin America, conferência organizada pela Biotechnology Innovation Organization

Leia mais

Fleury Medicina e Saúde lança edição atualizada do ‘Atlas de Diagnóstico por Imagem em Cardiologia’

Na 40ª edição do Congresso da SOCESP, médicos do Fleury lançam livro sobre métodos de diagnóstico e discutem casos de doença coronária e estenose aórtica 

Leia mais

Grupo Polar é representante autorizado das vestimentas DuPont Tyvek IsoClean para ambientes controlados

A vestimenta reduz riscos de contaminação, enquanto garante proteção para os processos, produtos e pessoas.    Com quase 20 anos de experiência, o Grupo Polar é atualmente o maior fabricante nacional

Leia mais

Diagnóstico por imagem: Adenocarcinoma em divertículo duodenal e ressonância magnética

Autor: Vanessa Mizubuti Brito¹  Colaboradores: Klaus Schumacher¹, Bruna Zaidan²  Orientador: Antônio Eustáquio Dantas da Silva Júnior³  O caso é uma apresentação típica em localização atípica e curiosa. Escolhemos esse

Leia mais
Seções
Fechar Menu