fbpx

70% dos idosos brasileiros tem alguma doença crônica, responsáveis por mais de dois terços das mortes no país

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Hipertensão, diabetes, sobrepeso e obesidade são as mais comuns. Associadas à inatividade e falta de controle, causam mais de 70% dos óbitos no Brasil

Doenças crônicas afetam cerca de 70% dos idosos brasileiros, sendo que 40% deles tem ao menos uma, enquanto que 29,8% tem duas ou mais – foi o que constatou o Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (Elsi-Brasil), realizado pelo Ministério da Saúde (MS) em conjunto com o Instituto Oswaldo Cruz (FioCruz). Essas enfermidades são adquiridas após anos convivendo com hábitos inadequados, e implicam diretamente na qualidade e vida e autonomia na terceira idade.

Embora o número de pessoas que pensam a respeito de seu envelhecimento gire em torno de 63%, segundo uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia de São Paulo (SBGG-SP), em parceria com a Bayer, muitos ainda são diagnosticados com doenças como o diabetes (mais de 25% – MS) e a hipertensão (mais de 57% – MS) com o passar dos anos.

Esses dados demonstram que a preocupação das pessoas não necessariamente influencia na preservação da saúde durante a terceira idade, como explica a geriatra, médica do serviço de geriatria e gerontologia da UNIFESP e membro da SBGG, Dra. Maísa Kairalla: “a preocupação com o envelhecimento ainda é algo superficial porque não reflete na adoção de hábitos de vida saudáveis de maneira consistente, já que ainda é comum que as pessoas desenvolvam diabetes e hipertensão por volta dos 60 anos, que é quando a terceira idade se estabelece”.

Um estilo de vida sedentário, associado a uma alimentação desequilibrada, rica em gorduras e açúcares, são os principais responsáveis pela aquisição de sobrepeso e obesidade, que podem levar à diabetes e hipertensão.

Falta de atividade física

Uma das medidas que poderiam auxiliar na prevenção e inclusive no controle dessas doenças é a prática de atividade física. No entanto, ela ainda é subestimada pela população que não a adota por não conhecer seus benefícios ou até mesmo por falta de orientação. “Muitos idosos ainda têm a ideia de que exercícios são para os mais jovens e por isso deixam de praticá-los quando, na verdade, podem ir à academia ou praticar um esporte como a natação, tendo inúmeros benefícios tanto para a saúde física como mental”.

O medo também os afasta de uma vida mais ativa e, inclusive, de momentos sociais. O estudo do Ministério da Saúde com a FioCruz identificou que 85% da população com 50 anos ou mais vivem em áreas urbanas e cerca de 43% dos idosos acompanhados pelo estudo disseram ter medo de cair na rua. “Esse é mais um reflexo de que a nossa sociedade ainda tem um longo caminho pela frente até se adaptar e ter também um ambiente adequado para seu envelhecimento. É necessário rever todas as políticas públicas, inclusive coisas que num primeiro momento nem se imagina, como o plano piloto da cidade”, reforça a especialista.

De acordo com o MS, essas doenças são responsáveis por mais de dois terços das mortes no país, o que coloca em risco a vida de milhares de idosos. Somente no Brasil, há atualmente 29,3 milhões deles, e em 2030, o número deve superar o de crianças e adolescentes. “É preciso não tem medo da velhice e se preparar para ela. Uma alimentação saudável e um estilo de vida ativa são decisivos para envelhecer melhor, todos chegarão lá, é só uma questão de tempo”, reforça a especialista.

Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu