fbpx

Estudos inéditos comprovam segurança e eficácia de novo medicamento para tratamento da Insuficiência Cardíaca em pacientes hospitalizados

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A insuficiência cardíaca afeta cerca de 3 milhões de brasileiros; O risco de morte pela doença após o diagnóstico chega a 50% em 5 anos

Dados inéditos dos estudos TRANSITION e PIONEER, recentemente apresentados, confirmam os benefícios e a segurança do tratamento com sacubitril/valsartana (Entresto®) em pacientes com insuficiência cardíaca (IC) hospitalizados¹². Juntos, os estudos avaliaram mais de 1.800 pacientes em 156 países¹².

“Normalmente há hesitação em iniciar o tratamento durante a hospitalização, pois esses pacientes são considerados vulneráveis e de maior risco para efeitos colaterais. Estes estudos confirmam a importância de iniciar tratamento ainda no hospital e a consequente redução na probabilidade de outro episódio agudo ou, ainda, morte”, explica o cardiologista especialista em insuficiência cardíaca e professor de Cardiologia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Dr. Dirceu Rodrigues Almeida.

A insuficiência cardíaca afeta cerca de 3 milhões de brasileiros³ e representa um peso importante e crescente para a economia de saúde. Em números, a doença impacta na perda de 22 bilhões de reais à economia do País em custos no sistema de saúde e redução de produtividade consequentes, principalmente, por episódios de internações hospitalares recorrentes³.

O estudo TRANSITION avaliou pacientes sem experiência anterior com terapias convencionais para IC¹. Já o PIONEER, confirmou a segurança, tolerabilidade e eficácia do início do tratamento com a terapia em comparação com o enalapril2². Ambos os estudos foram realizados em pacientes hospitalizados¹².

Há mais de uma década a classe médica e os pacientes conviveram com a falta de novas terapias para a doença. Em 2017 com a chegada de sacubitril/valsartana (Entresto®), a primeira medicação de uma nova classe, tivemos novos rumos para o tratamento da insuficiência cardíaca. Trata-se de um inibidor do receptor da angiotensina e neprilisina (INRA) que reduz o risco de morte e possibilita a melhora na qualidade de vida dos pacientes4,5, terapia já disponibilizada no Brasil, Estados Unidos e Europa.

“Pacientes diagnosticados com insuficiência cardíaca, normalmente, enfrentam repetidas internações e sintomas como falta de ar durante a realização de atividades físicas, inchaços nos tornozelos e pés, e tosse persistente, que impactam na realização de atividades cotidianas e, consequentemente, na qualidade de vida. O tratamento pode estabilizar esses sintomas”, conclui o especialista.

Brasileiro ainda desconhece a doença e seu impacto

De acordo com Pesquisa Ipsos, encomendada pela Novartis, 62% da população desconhece a insuficiência cardíaca4. Entre o grupo que declarou conhecer a enfermidade, apenas 2% soube descrevê-la de forma correta4, ou seja, à dificuldade do coração em bombear sangue de maneira adequada e suficiente para o corpo4.

A pesquisa ainda revela que mais de um terço (35%) da população pensa que o câncer de mama (23%) ou de próstata (12%) são mais letais que a insuficiência cardíaca4. A má notícia é que a IC provoca de duas a três vezes mais mortes que cânceres avançados, como o de mama4.

Sobre a Novartis

A Novartis está reimaginando a medicina para melhorar e ampliar a vida das pessoas. Como líder mundial em medicamentos, utilizamos tecnologias científicas e digitais inovadoras para criar tratamentos transformadores em áreas de grandes necessidades médicas. Em nossa busca por novos medicamentos, somos constantemente classificados entre as principais empresas do mundo que investem em pesquisa e desenvolvimento. Os produtos da Novartis alcançam quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo e estamos encontrando maneiras inovadoras de expandir o acesso aos nossos tratamentos mais recentes. Cerca de 125 mil pessoas de mais de 140 nacionalidades trabalham na Novartis em todo o mundo. Saiba mais em www.novartis.com.

Referências

  1. Wachter R. et al., Initiation of sacubitril/valsartan in hospitalized patients with heart failure with reduced ejection fraction after hemodynamic stabilization: Primary results of the TRANSITION study. Data presented at: ESC 2018, Aug 25-29; Munich, Germany.
  2. Wachter R. et al., Initiation of sacubitril/valsartan in hospitalized patients with heart failure with reduced ejection fraction after hemodynamic stabilization: Primary results of the TRANSITION study. Data presented at: ESC 2018, Aug 25-29; Munich, Germany.
  3. Stevens B, Pezzullo L, Verdian L et al. The Economic Burden of Heart Diseases in Brazil. World Congress of Cardiology & Cardiovascular Health 2016 Poster code: PS023.
  4. Bus Insuficiência Cardíaca. Desconhecimento dos brasileiros. Ipsos. 2018.
  5. McMurray JJV, Packer M, Desai AS, et al. Angiotensin–Neprilysin Inhibition versus Enalapril in Heart Failure.N Engl J Med 2014;371:993-1004
Confira a ultima edição da Newslab

Seções
Fechar Menu