fbpx

Pesquisa comprova pela 1ª vez o impacto da poluição na produção dos espermatozoides

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

A exposição a minúsculas partículas de poluição do ar pode levar à redução da produção de espermatozoides: é o que revela uma nova pesquisa conduzida com camundongos. “Os índices de infertilidade estão crescendo em todo mundo. A poluição do ar pode ser um dos fatores desse aumento”, afirma Dra. Elaine Maria Frade Costa. Elaine, que é endocrinologista, será palestrante do 13° Congresso Paulista de Endocrinologia e Metabologia, COPEM, que será de 16 a 18 de maio, em São Paulo.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que aproximadamente 15% da população mundial tem dificuldade para engravidar, e a infertilidade masculina responde por metade desse percentual. O estudo analisou o efeito do material particulado (PM) na produção de espermatozoides. PM é uma mistura de partículas sólidas e gotículas de líquido encontradas no ar. PM2.5 é uma partícula inalável fina com diâmetros de 2,5 micrômetros ou menores. O cabelo humano médio é de cerca de 70 micrômetros em diâmetros, tornando-se 30 vezes maior do que a maior partícula. PM2.5 é conhecido por desregular o sistema endócrino em humanos e animais, e o sistema endócrino está envolvido na reprodução, incluindo a produção de espermatozoides.

 

Elaine Maria Frade Costa: Professora Livre Docente da Disciplina de Endocrinologia e Metabologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).

 

A pesquisa foi desenvolvida com camundongos, divididos em 4 grupos. O primeiro grupo de camundongos foi exposto ao PM2.5 da cidade de São Paulo antes e depois do nascimento, desde o desmame até a idade adulta. O segundo grupo foi exposto apenas durante a gestação. O terceiro grupo foi exposto após o nascimento, desde o desmame até a idade adulta. E o quarto e último grupo,foi exposto ao ar filtrado durante a gestação e a partir do momento em que foram desmamados até a idade adulta. A partir disso, os pesquisadores realizaram as análises referentes à produção de espermatozoide e testes genéticos avaliaram as expressões de genes responsáveis pela formação dos testículos e espermatozoides.

O estudo constatou que a exposição ao PM2.5 levou a alterações nos níveis de expressão de genes relacionados à função das células testiculares, sendo a exposição após o nascimento a mais prejudicial para a função testicular. A pesquisa demonstra pela primeira vez que a exposição ao ar poluído tem um grande impacto na produção de espermatozoides através da epigenética, principalmente após o nascimento”, explica Dra. Elaine. Segundo a endocrinologista, essas descobertas fornecem mais evidências de que os governos precisam implementar o controle público da poluição do ar nas grandes cidades.

 

Confira a ultima edição da Newslab

Pesquisadores imprimem primeiro protótipo de coração 3D a partir de tecido humano

A impressão 3D do protótipo de coração com tecido humano abre caminho para uma nova fase na pesquisa no campo dos transplantes. Um grande passo

Leia mais

Vacinação contra febre amarela sofre queda brusca, aponta estudo da ANADEM

Após a primeira mudança de estação de cada ano, do verão para o outono, a busca pela vacina contra a febre amarela cai bruscamente no

Leia mais

Candida auris: conheça o “superfungo” que tem colocado em alerta autoridades do mundo todo

O fungo Candida auris,  vem sendo reconhecido amplamente pelo mundo como um “superfungo”, ou seja, um fungo que não se consegue ser combatido a partir

Leia mais

UFSCar irá realizar Jornada de Pediatria gratuita no mês de maio

Entre os dias 3 e 4 de maio, acontece em São Carlos a 5ª Jornada de Pediatria, que reúne as jornadas de “Especialidades Pediátricas”, realizada

Leia mais
Seções
Fechar Menu