fbpx

DB Toxicológico: Cabelos não mentem

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Exigência de exame toxicológico movimenta mercado de medicina diagnóstica

Em 2016, a Lei Federal 13.103 tornou obrigatória a realização do exame toxicológico de larga janela de detecção, popularmente conhecido como “exame do cabelo”, para emissão e renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nas categorias C, D e E, e na pré-admissão e desligamento de motoristas contratados pelo regime CLT. O exame toxicológico detecta a presença de metabólitos de drogas psicoativas que se depositam nos fios de cabelo ou pelos, por um período de até 90 dias, por isso, confere resultados mais efetivos na avaliação da conduta do motorista.

A obrigatoriedade movimentou o mercado laboratorial, que precisou se adequar para atender a uma nova grande demanda: estima-se que entre 180 e 200 mil carteiras, nas categorias C, D e E, sejam renovadas mensalmente no Brasil. É o caso do DB Toxicológico, laboratório que oferece diversos exames toxicológicos e tem, como carro-chefe, o exame de larga janela de detecção. “Investimos em toda a infraestrutura da unidade com o objetivo de oferecer o melhor atendimento aos clientes”, comenta o gestor do DB Toxicológico, Jean Haratsaris. A unidade comercial possui profissionais especializados no segmento e também desenvolveu uma ferramenta no formato educação a distância (EAD), visando facilitar o entendimento dos coletores e atendentes dos laboratórios sobre todo o processo de coleta. “Mais de 3.600 coletores já foram treinados desde a implantação dessa ferramenta, há cerca de sete meses”, revela o gestor.

O Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC) está preparado para atender tanto laboratórios, como motoristas – e funciona de segunda a sábado. Outro diferencial é a logística do grupo que consegue atender a todo o mercado brasileiro com agilidade através das 40 unidades de atendimento e mais de 400 rotas que atendem em torno de 6.000 cidades.

O resultado dos investimentos já é perceptível nos números. Nos últimos 16 meses, o volume de vendas desse exame obteve um crescimento de 94% e atualmente o DB Toxicológico responde por cerca de 15% do mercado nacional. Atualmente, a unidade é responsável por cerca de 12% do faturamento do grupo e pretende alcançar a meta de 20% nos próximos meses.

Como os exames são realizados

A coleta é feita em laboratórios, a partir de cabelos ou pelos do corpo. Quando a coleta é de cabelos, são necessários de 120 a 150 fios com, no mínimo, 4 cm de comprimento. Caso seja necessário utilizar pelos do corpo, é retirado um chumaço equivalente a uma bola de algodão com 2 cm de diâmetro. São coletadas duas amostras de cabelos ou pelos – uma vai para análise e a outra fica à disposição das autoridades e do motorista, no banco de dados do laboratório. Todo o processo de coleta é realizado na presença de uma testemunha para garantir um resultado seguro.

As substâncias verificadas no teste toxicológico são: as anfetaminas mazindol, femproporex e anfepramona; as anfetaminas ilegais ecstazy, MDA e MDMA; além de metanfetaminas, maconha, cocaína, bezoilecgnonina, cocaetileno, norcocaína e os opiáceos codeína, morfina e heroína. A legislação exige até 15 dias para entrega do resultado. “No DB Toxicológico, entregamos o resultado no máximo em 10 dias, devido à nossa logística e localização estratégica. Agilizar resultados beneficia o processo de liberação do cliente”, revela Haratsaris.

Caso o resultado seja positivo, o motorista deverá aguardar três meses para realizar um novo exame. A suspensão da carteira pode ser revista, caso o resultado do novo exame seja negativo.

Sobre o DB Toxicológico

O DB Toxicológico pertence ao grupo Diagnósticos do Brasil, referência no mercado por ser o único laboratório de apoio no Brasil, assim como suas demais unidades de negócios. A unidade vem se destacando no mercado pela inovação, qualidade e alto índice de satisfação de clientes. Mais informações: dbtoxicologico.com.br ou 0800 640 0380.

Confira a ultima edição da Newslab

Estudos sugerem que retinopatia diabética expõe diabéticos à maior risco de queda

Pessoas com diabetes e danos oculares relacionados, conhecidos como retinopatia diabética, são mais propensas a cair do que os diabéticos que não desenvolvem problemas de

Leia mais

Novo método mais seguro de esterilização de cateteres é desenvolvido na Univap, em São José dos Campos

Conteúdo: FAPESP A esterilização de instrumentos cirúrgicos metálicos é feita normalmente em aparelhos conhecidos como autoclaves, com temperaturas igual ou acima de 121 ºC, capazes

Leia mais

Johnson & Johnson fará parceria para desenvolver vacina preventiva do HIV, pesquisada pela Janssen

National Institutes of Health (NIH), HIV Vaccine Trials Network (HVTN) e U.S. Army Medical Research & Development Command (USAMRDC) unem forças com a Johnson &

Leia mais

QIAGEN anuncia seu novo Vice-Presidente na América Latina

Paulo Gropp se une à QIAGEN como Vice-Presidente, chefe de operações comerciais LATAM.  A QIAGEN, líder mundial em soluções para testes moleculares, anunciou em junho deste ano que Paulo Gropp é o novo vice-presidente da

Leia mais
Seções
Fechar Menu