fbpx

Câncer de mama: tomossíntese mamária detecta mais casos da doença do que a mamografia digital

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Estudo realizado no norte da Itália, com um grupo de 19 mil mulheres, revelou que a tomossíntese mamária identificou 80% mais tumores do que a mamografia digital – o que acelera a discussão sobre a substituição de um exame por outro como padrão na detecção precoce do câncer de mama. De acordo com a coordenadora Valentina Lotti – do Arcispedale Santa Maria Nuova, de Reggio Emilia – o estudo, realizado entre 2014 e 2016, encaminhou randomicamente pacientes entre 45 e 70 anos para um ou outro exame. Enquanto a mamografia digital detectou 45 tumores (seis em estágio inicial), a tomossíntese mamária identificou 79 tumores (14 em estágio inicial) – demonstrando mais efetividade com relação a tumores bem pequenos, entre 10mm e 20mm.

De acordo com Vivian Schivartche, médica radiologista do CDB Medicina Diagnóstica, que recentemente teve acesso ao estudo italiano durante o Congresso Europeu de Radiologia, com a tomossíntese é possível encontrar tumores menores, com maior chance de cura e que demandam tratamentos menos invasivos. A médica explica que a detecção de um câncer de mama através da mamografia gira em torno dos 75%. Já a tomossíntese aumentou em 15% a precisão diagnóstica em relação à mamografia, alcançando 90%.  “Na tomossíntese mamária, usamos um software que converte as imagens da tomossíntese em imagens mamográficas em duas dimensões, sintetizadas. Esse método diagnóstico permite a visualização de tumores menores, mais agressivos e provavelmente mais precocemente, quando comparado à mamografia convencional”.

Quando a mamografia convencional (2D) é realizada isoladamente, a sobreposição de estruturas da mama pode simular lesões suspeitas, obrigando a paciente a fazer mais radiografias para esclarecimento, ou até mesmo uma biópsia. Já a tomossíntese elimina a sobreposição dos tecidos. Com isso, há melhor definição das bordas das lesões, melhor detecção de lesões sutis e melhor localização da lesão na mama. “Em média, a tomossíntese digital leva quatro segundos para ser realizada, pouco mais que a mamografia convencional. Entretanto, permite a detecção do câncer numa fase muito precoce e em mamas densas e heterogêneas. Além disso, com o uso do software, a exposição à radiação – que é um fator a ser considerado – cai pela metade”, diz Vivian Schivartche.


Veja também: http://www.auntminnieeurope.com/index.aspx?sec=ser&sub=def&pag=dis&ItemID=614337


Fonte: Press Pagina /  Dra. Vivian Schivartche, médica radiologista do CDB Medicina Diagnóstica, especializada em diagnósticos da mama


 

Confira a ultima edição da Newslab

Pesquisadores imprimem primeiro protótipo de coração 3D a partir de tecido humano

A impressão 3D do protótipo de coração com tecido humano abre caminho para uma nova fase na pesquisa no campo dos transplantes. Um grande passo

Leia mais

Vacinação contra febre amarela sofre queda brusca, aponta estudo da ANADEM

Após a primeira mudança de estação de cada ano, do verão para o outono, a busca pela vacina contra a febre amarela cai bruscamente no

Leia mais

Candida auris: conheça o “superfungo” que tem colocado em alerta autoridades do mundo todo

O fungo Candida auris,  vem sendo reconhecido amplamente pelo mundo como um “superfungo”, ou seja, um fungo que não se consegue ser combatido a partir

Leia mais

UFSCar irá realizar Jornada de Pediatria gratuita no mês de maio

Entre os dias 3 e 4 de maio, acontece em São Carlos a 5ª Jornada de Pediatria, que reúne as jornadas de “Especialidades Pediátricas”, realizada

Leia mais
Seções
Fechar Menu