fbpx

Brasil anuncia plano nacional para eliminação da hepatite C até 2030

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Todos os pacientes diagnosticados passam a ter acesso ao tratamento, a partir de 2018, independente do grau de comprometimento do fígado

O Brasil anunciou o Plano Nacional para Eliminação da Hepatite C até 2030 com a oferta de tratamento para todos. A expectativa é tratar 657 mil pessoas nos próximos anos. A meta foi apresentada nesta quarta-feira (1º) pelo ministro da Saúde, Ricardo Barros, durante a abertura da Cúpula Mundial de Hepatites 2017 – World Hepatitis Summit, em São Paulo (SP), que reúne ministros da Saúde, especialistas em saúde pública e ONGs para discutir a eliminação das hepatites virais em todo o mundo.

“O projeto de eliminação da hepatite C no Brasil é viável e já esta em curso. Somos um dos primeiros países a colocarem em prática a proposta em discussão para o mundo. Atualmente, dos 155 mil pacientes notificados, metade já foram ou estão em tratamento. Além disso, iremos aumentar a testagem e diagnóstico da doença em toda a população. A expectativa e distribuirmos ano que vem o dobro de testes que distribuímos esse ano. Serão 12 milhões de testes para diagnóstico da doença”, ressaltou o ministro da Saúde do Brasil, Ricardo Barros.

A estimativa de tratar 657 mil pessoas é menor do que a anterior de 1,6 milhão de casos porque houve uma revisão dos números com o apoio do Observatório Polaris, da Fundação Center for Disease Analysis (CDA), nos EUA – e em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Com isso, a meta do Ministério da Saúde agora é tratar todos os pacientes diagnosticados, além de apresentar novas iniciativas para testar o máximo de pacientes.

“Assim como ocorreu com relação à epidemia de HIV, o Brasil está determinado a ser líder mundial na luta contra a hepatite C. Nosso plano de eliminação significa que, até 2030, a hepatite C não será mais uma ameaça à saúde pública no Brasil”, afirma Adele Benzaken, diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

Tratamento para todos

O protocolo atual considera elegíveis para tratamento no SUS os pacientes mais graves, nas fases 2, 3 e 4, os pacientes com coinfecção com HIV e pacientes com comorbidades, como doença renal crônica e manifestações extra-hepáticas. O Plano de Eliminação prevê que todos os pacientes diagnosticados com a doença serão atendidos, a partir de 2018, independente do grau de comprometimento do fígado.

Os pacientes com maior gravidade terão prioridade. O comprometimento do fígado varia de F0 a F4, sendo que as pessoas com F0 e F1 passarão a fazer parte do protocolo. A expectativa é que a fila dos casos diagnosticados F3 e F4 acabará neste semestre. Até o primeiro semestre de 2018, os diagnosticados com F2 serão plenamente atendidos.

“Agora, o Ministério da Saúde irá realizar a compra dos tratamentos e não de medicamentos. E os laboratórios terão o preço máximo de U$ 3 mil por tratamento, que é metade do que é pago atualmente. Portanto, iremos ampliar ao acesso aos medicamentos para mais pessoas com um custo muito menor”, destacou o ministro Ricardo Barros.

A ampliação da oferta de tratamento para todos será possível devido à mudança na modalidade de compra do Ministério da Saúde, que condicionará o pagamento à indústria farmacêutica do tratamento à comprovação da cura do paciente. A expectativa é que, como aconteceu em outros países, o valor por tratamento caia de U$ 6,2 mil para U$ 3 mil. Essa economia possibilitará a inclusão de até três vezes mais pessoas do que as atendidas atualmente no SUS.

O Ministério da Saúde também incorporou novas tecnologias. A combinação Ombitasvir, Paritaprevir, Ritonavir, Dasabuvir (3D), é mais uma opção terapêutica para pacientes com hepatite C. O tratamento deverá ser ofertado aos pacientes até o final deste ano. As novas inclusões oferecem maiores possibilidades para o tratamento. Esses fármacos também possibilitam a cura superior a 90%.

Atualmente, as hepatites virais são responsáveis por mais de 1 milhão de mortes por ano – e mais de 300 milhões de pessoas estão cronicamente infectadas pelas hepatites B ou C. Em 2016, o Brasil registrou 42.830 casos de hepatites virais. Os dados fazem parte do Boletim Epidemiológico de Hepatites, que pode ser acessado no site indicadoreshepatites.aids.gov.br. Na plataforma, é possível acompanhar dados das hepatites de cada município de Brasil, com recortes de raça, cor, sexo, idade.

Cúpula mundial

Após a adoção da Estratégia Global do Setor de Saúde (GHSS) da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre as hepatites virais em maio de 2016 – incluindo a meta de eliminação das hepatites virais como ameaça à saúde pública até 2030 -, os principais atores dessa luta se reunirão na Cúpula Mundial de Hepatites deste ano, que será realizada em São Paulo (SP) entre os dias 1º e 3 de novembro, para discutir os últimos avanços e as políticas de saúde pública necessárias para atingir essa meta.

O evento é organizado pela OMS e a Aliança Mundial contra as Hepatites (World Hepatitis Alliance/WHA), em parceria com o governo brasileiro, graças ao protagonismo do Brasil no enfrentamento às hepatites virais. No encontro, a OMS, ministros da Saúde de seus estados-membros, a WHA e as 253 organizações, grupos da sociedade civil, gestores, cientistas e financiadores de saúde pública trabalharão juntos para abordar essa meta comum.

Na abertura da Cúpula o ministro da Saúde, Ricardo Barros, mais outros cinco ministros da Saúde – Austrália, Bangladesh, Brasil, Egito, Geórgia e Ruanda – irão reiterar o seu compromisso como países visionários do NOhep. O Programa Visionários NOhep reúne governos “líderes mundiais” para acelerar ações rumo à eliminação das hepatites virais até 2030. O Brasil e esses outros cinco países foram escolhidos pela OMS para inspirar outros governos a alcançarem a meta de eliminação das hepatites virais.


 

Confira a ultima edição da Newslab

Inteligência artificial à serviço da prevenção: Minsait lança produto que reduz pressão sanguínea

Intitulado HCEPRO, produto integra dados e reduz pressão sanguínea de pacientes com hipertensão A Minsait, empresa Indra com foco em transformação digital, traz ao mercado

Leia mais

“Saúde Digital para todos” será foco da MV na Hospitalar 2019

Principal influenciadora da transformação digital da Saúde no Brasil, empresa líder em software de gestão expõe suas plataformas com novos recursos integrados A Saúde Digital

Leia mais

White Martins, gigante do ramo de gases industriais e engenharia, terá recorde de lançamentos

Produtos e serviços apresentados pela empresa trazem mais qualidade de vida e de atendimento aos pacientes e contribuem para melhoria do desempenho de hospitais e

Leia mais

Philips lança ultrassom portátil que pode ser conectado a qualquer celular/tablet: veja aqui novidades da marca

Para a Philips, o setor de saúde não tem fronteiras. Em um segmento tão completo, rico em inovação, com especialistas e tecnologias de pontas e,

Leia mais
Seções
Fechar Menu